Quinta-feira, 30 de Junho de 2022

“Luta” até ao último minuto acabou em empate

A equipa da Associação Académica da Universidade de Trás–os-Montes e Alto Douro (AAUTAD/Realfut) conseguiu, no dia 22, o primeiro ponto da tabela classificativa da 1.ª Divisão do Campeonato Nacional de Futsal, com o empate, a quatro golos, frente à Associação Desportiva do Fundão. Esquerda, jogador da equipa da casa, foi o responsável pelo primeiro golo […]

A equipa da Associação Académica da Universidade de Trás–os-Montes e Alto Douro (AAUTAD/Realfut) conseguiu, no dia 22, o primeiro ponto da tabela classificativa da 1.ª Divisão do Campeonato Nacional de Futsal, com o empate, a quatro golos, frente à Associação Desportiva do Fundão.

Esquerda, jogador da equipa da casa, foi o responsável pelo primeiro golo da partida, uma conquista que, poucos minutos depois, com uma finalização bem-sucedida, por Berto, acabou por ser igualada, pelos transmontanos. Zira conseguiu a vantagem, marcando o segundo golo da AAUTAD/Realfut, no entanto, antes do intervalo, o Fundão, com um golo de Couto, conseguiu igualar o marcador (2-2).

A segunda metade da partida começou com César, jogador do clube anfitrião, a chegar ao golo. Pouco minutos depois, Barroso desfez a vantagem do Fundão, conseguindo o 3-3. A dois minutos do final, Carlitos desfez o empate, obrigando a AAUTAD a voltar a recuperar. E, quando Parente se preparava para entrar com o “joker”, a um minuto do final da partida, Paulo Duarte conseguiu o golo que quebrou a superioridade de uma bola da equipa da casa.

Nos últimos segundos, o Fundão teve a sua última oportunidade de vencer, na marcação de um livre de dez metros que acabou por não representar mais do que um teste aos nervos transmontanos. Acabava, assim, o encontro, com um empate, a quatro golos.

Apesar do resultado, Fernando Parente, treinador da AAUTAD/Realfut, mostrou-se satisfeito, revelando que a sua equipa “soube reagir bem à derrota da primeira jornada”, frente à Fundação Jorge Antunes.

“O nosso objectivo é a manutenção e estamos a demonstrar que somos uma equipa que não baixa os braços e que também sabemos jogar Futsal. Podíamos ter ganhado, mas também podíamos ter perdido. É assim: às vezes, nem sempre a equipa que prática melhor Futsal ganha”, frisou o técnico vila–realense, salientando, mais uma vez, que a equipa “vai continuar a trabalhar e a interiorizar que a Primeira Divisão é totalmente diferente da realidade que a equipa teve, no ano passado, porque não há espaço para errar. Se houver uma oportunidade, há que marcar. Desta vez, soubemos reagir a tempo. No entanto, os últimos dois minutos foram esgotantes e o cansaço também atrapalha”, realçou o treinador.

João Pedro, guarda-redes da A. D. Fundão, confirmou a qualidade do jogo dos vila-realenses, referindo que a equipa adversária “criou muitas dificuldades” e salientando, sobretudo, que “souberam defender muito bem” e que “são muito rápidos”.

Com uma derrota e um empate, com cinco golos marcados e sete sofridos, a AAUTAD/Realfut prepara-se para a terceira jornada, ocupando a nona posição da tabela classificativa, sendo de realçar que, no dia 29, os transmontanos voltam a assumir o papel de visitantes, desta feita no campo do Alpendorada.

“Vai ser difícil, porque o Alpendorada é uma equipa experiente, madura e com muito traquejo, nesta divisão. Mas, obviamente, vamos lá para ganhar”, garante Fernando Parente.

 

Maria Meireles

 

FICHA TÉCNICA

Jogo disputado no Pavilhão Municipal do Fundão.

A.D. FUNDÃO – João Pedro, Carlinhos, Jefferson, Bruno Pereira, Carlitos, Pirata, Fábio Filho, Bruno César, Couto, Paulo Pinto, Esquerda e Adriano.

Treinador: José Luís.

AAUTAD/REALFUT – Telmo, Cláudio, Zira, Nito, Ivo, Paulo Duarte, Berto, Vítor Hugo, Barroso, Mingo, João e Lincon.

Treinador: Fernando Parente.

Ao intervalo: 2-2.

Marcadores: Esquerda, Couto, César e Carlitos, para a A. D. Fundão; Berto, Zira, Barroso e Paulo Duarte, para a AAUTAD/RealFut.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.