Quarta-feira, 18 de Maio de 2022

Macedo de Cavaleiros vai ter Museu dedicado aos Templários

Nova unidade museológica é um trabalho conjunto com a Associação das Terras Quentes, que pretende valorizar o papel da Ordem dos Templários no Nordeste Transmontano

Em parceria com a Associação das Terras Quentes, o município anunciou que vai abrir até final do verão de 2022 um museu dedicado à Ordem dos Templários.

Benjamim Rodrigues, presidente da autarquia, explica que a Ordem dos Templários e o seu papel na formação da identidade nacional têm uma presença muito forte no nosso território e é de inteira justiça que se avance com este projeto”.

O presidente acredita que “este não será só mais um museu em Macedo de Cavaleiros, mas irá, sobretudo, “contribuir para gerar uma nova dinâmica no concelho”. “Estou convicto que, juntamente com o Museu de Arte Sacra, o Museu Martim Gonçalves de Macedo e o Museu Coronel Albino Pereira Lopo, o município vai passar a dispor de uma rede de equipamentos sinergicamente importantes para captar turismo, para servir de apoio pedagógico regional e para afirmar que no Nordeste Trasmontano aqui também nasceu Portugal”.

A nova unidade resulta de um repto lançado nas últimas “Jornadas da Primavera” da Associação “Terras Quentes”. “Só assim faz sentido trabalhar, em parceria, em cooperação com as instituições que podem ajudar a alavancar o nosso concelho”, sustenta o edil.

Carlos Mendes, presidente Associação de Defesa do Património “Terras Quentes”, revela que a nova unidade museológica de Macedo resulta de trabalhos de investigação desenvolvidos pela associação ao longo dos anos. “É um trabalho desenvolvido na linha do espírito regionalista que animou a intelectualidade do distrito de Bragança na viragem do século XIX para o século XX, dando um passo para repor, com elevado nível, o que de justiça a historiografia portuguesa deve ao nordeste português”.

 

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.