Terça-feira, 18 de Janeiro de 2022
©DR

Mais 13 mortes e 3.732 casos nas últimas 24 horas

Portugal regista hoje mais 13 mortes associadas à covid-19 e 3.732 infeções com o coronavírus SARS-CoV-2, bem como uma subida nos internamentos, indica a Direção-Geral da Saúde (DGS).

-PUB-

O boletim epidemiológico diário da DGS revela um aumento do número de pessoas internadas, contabilizando hoje 878 internamentos, mais 21 do que no sábado, e 151 em unidades de cuidados intensivos, menos um nas últimas 24 horas.

Das 13 mortes, cinco ocorreram na região de Lisboa e Vale do Tejo, três no Centro, duas no Norte, uma no Alentejo, no Algarve na Madeira.

Depois de três dias consecutivos com mais de 10.000 casos diários, Portugal regista nas últimas 24 horas 3.732 infeções.

Os casos ativos voltaram a aumentaram nas últimas 24 horas, passando a barreira dos 100 mil ao totalizarem 101.719, mais 2.125 do que no sábado, e recuperaram da doença 1.594 pessoas, o que aumenta o total nacional de recuperados para 1.159.192.

Lisboa e Vale do Tejo continua a ser a região com mais novos casos diagnosticados nas últimas 24 horas, num total de 1.640, seguindo-se o Norte (1.226), o Centro (400), a Madeira (216(), o Alentejo (113), o Algarve (100) e os Açores (37).

Em relação ao dia anterior, as autoridades de saúde têm mais 1.777 contactos em vigilância, totalizando 124.177 pessoas.

Segundo os dados da autoridade de saúde, a maioria dos óbitos diários continua a registar-se entre os idosos com mais de 80 anos, num total de oito, seguido da faixa etária dos 70 aos 79, com quarto, tendo ainda ocorrido uma morta entre os 60 e os 65 anos.

O maior número de óbitos desde o início da pandemia concentra-se entre os idosos com mais de 80 anos (12.256), seguindo-se as faixas etárias entre os 70 e os 79 anos (4.081) e entre os 60 e os 69 anos (1.732).

O maior número de novos casos diagnosticados é da faixa etária entre os 20 e os 29 anos (848), seguido dos 30 aos 39 anos (647), dos 40 aos 49 anos (636), dos 50 aos 59 anos (466), dos 10 aos 19 anos (442), até aos 9 anos (285), dos 60 aos 69 anos (237), dos 70 aos 79 anos (90) e dos idosos com mais de 80 anos (81).

Desde o início da pandemia, em março de 2020, a região de Lisboa e Vale do Tejo registou 492.957 casos e 7.946 mortes.

Na região Norte registaram-se 471.093 infeções e 5.757 óbitos e a região Centro tem agora um total acumulado de 183.554 infeções e 3.341 mortes.

O Algarve totaliza 56.209 contágios e 573 óbitos e o Alentejo soma 45.826 casos e 1.086 mortos por covid-19.

A Região Autónoma da Madeira soma desde o início da pandemia 18.934 infeções e 120 mortes e o arquipélago dos Açores 11.212 casos e 37 óbitos.

As autoridades regionais dos Açores e da Madeira divulgam diariamente os seus dados, que podem não coincidir com a informação divulgada no boletim da DGS.

Em Portugal, desde março de 2020, morreram 18.874 pessoas, 9.907 entre os homens e 8.967 entre as mulheres.

Já foram contabilizados 1.279.785 casos de infeção, segundo dados da DGS, dos quais 598.783 homens, 680.042 mulheres e 960 casos de sexo que se encontram-se sob investigação, uma vez que estes dados não são fornecidos de forma automática.

A covid-19 provocou mais de 5,38 milhões de mortes em todo o mundo desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em vários países.

Uma nova variante, a Ómicron, classificada como preocupante pela Organização Mundial da Saúde (OMS), foi detetada na África Austral, mas desde que as autoridades sanitárias sul-africanas deram o alerta, a 24 de novembro, foram notificadas infeções em pelo menos 110 países de todos os continentes, incluindo Portugal.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.