Quinta-feira, 5 de Agosto de 2021
©DR

Mais 3.194 casos e sete mortos por Covid-19

Portugal registou hoje mais 3.194 novos casos de infeção pelo vírus SARS-CoV-2, sete mortos atribuídos à covid-19 e um aumento de doentes internados e em cuidados intensivos, referem os dados da Direção-Geral da Saúde (DGS).

-PUB-

Segundo o boletim epidemiológico da DGS, a maioria das infeções foi registada na região de Lisboa e Vale do Tejo, com 1.482, o que representa cerca de 46% do total do país, que ultrapassou hoje os 900 mil casos acumulados.

Os mesmos dados indicam ainda que se registaram sete óbitos, menos dois do que os verificados na quinta-feira, estando agora mais 18 pessoas internadas em enfermaria, num total de 617, e mais cinco doentes em unidades de cuidados intensivos, que acolhem 141 pessoas.

As sete mortes registadas nas últimas 24 horas foram nas regiões Norte, com três, e Lisboa e Vale do Tejo, com quatro, elevando o número de óbitos atribuídos à pandemia para um total de 17.142, sendo 9.002 homens e 8.140 mulheres.

Desses sete óbitos, um foi na faixa etária entre os 40 e 49 anos, dois entre os 50 e 59 anos, dois entre os 70 e 79 anos e dois no grupo dos idosos com mais de 80 anos.

A faixa etária com maior número de casos registados nas últimas 24 horas foi a dos 20 aos 29 anos (810 infeções), seguindo-se o grupo dos 30 aos 39 anos (588), o grupo 40 aos 49 anos (506), dos 10 aos 19 anos (466), dos 0 aos 09 anos (313), dos 50 aos 59 anos (222), dos 60 aos 69 anos (139), dos mais de 80 anos (74) e dos 70 aos 79 anos (61).

 De acordo com a autoridade de saúde, Portugal tem agora 43.323 casos ativos, tendo recuperado da infeção nas últimas 24 horas mais 1.727 pessoas, o que aumenta para 842.024 o número de recuperados desde o início da pandemia.

O número de contactos em vigilância está nos 71.318, na sequência das 2.451 pessoas que, nas últimas 24 horas, passaram a integrar este grupo.

A região de Lisboa e Vale do Tejo contabiliza agora 351.764 casos de infeção, seguida de perto pelo Norte (351.662), refere a DGS.

No Centro já foram notificados 124.111 casos, no Alentejo 31.651, no Algarve 26.780, na Madeira 10.055 e nos Açores 6.466.

Lisboa e Vale do Tejo é a região com mais óbitos (7.296), seguindo-se o Norte (5.374), o Centro (3.029), o Alentejo (973), o Algarve (366), a Madeira (70) e os Açores (34).

As autoridades regionais dos Açores e da Madeira divulgam diariamente os seus dados, que podem não coincidir com a informação disponibilizada no boletim da DGS.

Portugal continental regista hoje uma taxa de incidência de infeções por 100 mil habitantes de 280,5, superior à registada na quarta-feira, enquanto o índice de transmissibilidade (Rt) do vírus baixou ligeiramente, indica a Direção-Geral da Saúde (DGS).

Segundo o boletim epidemiológico da autoridade de saúde, o território continental apresenta agora uma taxa de incidência de novos casos por 100 mil habitantes de 280,5, quando nos dados de quarta-feira da DGS, este indicador estava nos 254,8.

Relativamente ao Rt – que estima o número de casos secundários de covid-19 resultantes de uma pessoa infetada – os dados de hoje da DGS indicam uma ligeira redução, passando dos 1,20 para os atuais 1,19.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 4.013.756 mortos em todo o mundo, resultantes de mais de 185,5 milhões de casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o balanço mais recente feito pela agência France-Presse.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, uma cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em países como o Reino Unido, Índia, África do Sul, Brasil e Peru.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO.
APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.