Quarta-feira, 21 de Fevereiro de 2024
No menu items!

Mais de 700 mil euros para reflorestação de Baldios

A cerimónia de assinatura decorreu na aldeia de Rebordondo, na freguesia de Anelhe, onde os trabalhos “já estão muito avançados”, faltando ainda a construção “de uma linha de água”.

-PUB-

Miguel Meireles, representante da Comunidade Local dos Baldios de Rebordondo, aldeia cuja floresta é maioritariamente composta por pinheiro bravo, só vê benefícios no protocolo que assinou com o município de Chaves. “Esta plantação vem colmatar a falta de árvores de outras espécies mais resistentes ao fogo e que vão fazer de barreira de proteção para a nossa floresta em caso de incêndios”. 

Segundo o presidente de junta da freguesia, desde 2010 que os baldios não são intervencionados e com esta cooperação vai ser possível “reflorestar os dois hectares que arderam há dois anos e proceder à limpeza da floresta”. 

São cerca de 99 hectares que serão reflorestados, com mais de 50 mil árvores, entre elas medronheiros, carvalhos, plátanos e sobreiros, espécies consideradas mais resilientes e resistentes ao fogo, nas áreas mais afetadas pela construção da barragem do Alto Tâmega, inserida no Sistema Eletroprodutor do Tâmega. O investimento de mais de 700 mil euros será financiado a 100% pela empresa concessionária do projeto, Iberdrola. 

O que queremos com estas medidas é que, naturalmente, a floresta seja mais resistente e que ela própria possa ser também um primeiro travão à propagação dos incêndios florestais, evitando assim o que aconteceu no verão passado”. 

Medidas que advêm da necessidade de compensar os impactos negativos da construção das barragens nos territórios e que, para alguns, “é uma obrigação deles”, tal como defendeu Rui Branco, presidente da União de Freguesias de Vidago, e representante dos baldios de Arcossó e Vilarinho das Paranheiras, duas das localidades com maior número de hectares (41,15) que serão intervencionados.

Estas compensações, que estão a ser feitas pela Iberdrola, não só a nível da reflorestação, mas também a nível infraestrutural, faz todo o sentido para a nossa freguesia, é uma obrigação deles, porque vão destruir muito daquilo que é o nosso património”, disse o autarca, relembrando que no concelho de Chaves, a freguesia é a que mais vai ser afetada pela barragem. Rui Branco afirmou ainda que este investimento vai permitir “limpar e abrir caminhos que estavam fechados, melhorando assim os acessos aos locais”. 

Para além dos baldios de Arcossó, Vilarinho das Paranheiras, Anelhe e Rebordondo, o protocolo prevê ainda uma intervenção na Quinta da Freixeda, em Vidago, e na Quinta do Rebentão, em Chaves. 

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

VÍDEOS

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.