Sábado, 24 de Julho de 2021

Montenegro pede a Jurisdição inquérito sobre votação em Freixo de Espada à Cinta

A candidatura de Luís Montenegro pediu hoje ao Conselho de Jurisdição Nacional (CJN) do PSD que abra imediatamente um inquérito sobre alegadas irregularidades em Freixo de Espada à Cinta na primeira volta das diretas relatadas pelo jornal online Observador.

-PUB-

Em comunicado, a candidatura pede ainda que, se forem confirmados os factos relatados na notícia – de militantes que terão votado sem sair de casa -, “seja declarado inválido” o escrutínio da secção de Freixo de Espada a Cinta (Bragança), onde votaram 25 dos 26 militantes inscritos e todos no atual presidente Rui Rio.

"Deixar claro, no plano político, que o candidato Rui Rio está permanentemente a falar de ética relativamente aos outros, mas pactua com comportamentos inaceitáveis em benefício da sua candidatura”, refere a candidatura, que pede ao CJN que atue “de imediato” sobre os responsáveis de “tão grave violação das regras democráticas”.

O Observador identificou pelo menos dois militantes que, não podendo sair de casa, terão dito ao mandatário local de Rui Rio, Ricardo Madeira, para “fazer o risquinho onde quisesse".

Ao mesmo jornal, o presidente da secção disse desconhecer o que se passou.

O regulamento da eleição do presidente da Comissão Política Nacional determina que “o exercício de voto não é delegável, nem pode ser efetuado por correspondência”.

O presidente do PSD é eleito pelos militantes do partido, com capacidade eleitoral ativa, “por sufrágio universal, direto, secreto e com voto nominativo”.

Rui Rio e Luís Montenegro disputam no sábado a segunda volta das eleições diretas para escolher o próximo líder do PSD.

O atual presidente do PSD foi o candidato mais votado na primeira volta das diretas com 49,02% dos votos expressos, enquanto o antigo líder parlamentar conseguiu 41,42%. Miguel Pinto Luz, o terceiro candidato mais votado, obteve 9,55% (3.030 votos) e ficou fora da segunda volta.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO.
APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.