Segunda-feira, 4 de Julho de 2022

Nacional Ralicross no circuito de Montalegre

Montalegre recebeu a derradeira prova do Campeonato Nacional de Ralicross, Kartcross e Super Buggy.

Um conjunto de provas que serviu para definir os dois campeões que ainda faltavam ser encontrados. Joaquim Santos comemorou o título ainda no sábado, ao passo que o seu principal adversário, Pedro Matos, não veio a Montalegre e o Campeonato dos Super Car ficou virtualmente entregue. Na Super Nacional A 1.6, as contas eram mais complicadas. Todavia, Sérgio Dias bastou o terceiro posto da final para ser o virtual campeão que faltava.

SUPER CAR

Joaquim Santos (Ford Focus) dominou completamente a prova, tanto mais que João Novo, pai de João Novo, que corre na iniciação, estaria muito mais empenhado em se adaptar ao Citroen DS3, do que em andar "a fundo". O primeiro e o segundo estavam encontrados. Resta apenas referir que Rogério Silva (Peugeot 206) foi o terceiro.

SUPER 1600

A partida mais pareceu uma prova de eliminação. Hélder Ribeiro (Citroen C2 S1600) foi tocado, saiu de pista e bateu no rail, logo à saída da curva um. Depois foi José Eduardo Rodrigues (Peugeot 206 S1600), que teve um caminho semelhante e a bandeira vermelha era mostrada. Retomada a prova, agora sem problemas, João Ribeiro (Citroen Saxo) colocou-se na frente. A oposição era encabeçada por Mário Teixeira (Ford Fiesta S1600), que trazia um grupo animado logo atrás. Aliás, animação foi coisa que não faltou. Logo de seguida Mário Teixeira perdia duas posições de uma assentada e José Eduardo Rodrigues (Peugeot 206 S1600) assumia o segundo posto. Joaquim Machado (Peugeot 206 S1600) tudo fazia para se tentar "ver livre" de Nuno Araújo (Citroen C2 S1600). Depois de forte luta passava para terceiro, com o para-choques traseiro completamente "ao dependuro". Mário Teixeira terminava a prova em ritmo lento, pois a mecânica do Ford decidia não colaborar. João Ribeiro, já virtual campeão desde Setembro, ganhava a prova.

SUPER NACIONAL  A1.6

Sérgio Dias (Citroen Saxo) partiu da pole-position, defendeu na curva um e manteve-se na frente. Daniel Leal (Citroen Saxo) vinha logo atrás, muito pressionado por Pedro Tiago (Peugeot 106). Sérgio Dias foi à Joker Lap, deixou Leal na frente e controlava a corrida desde a terceira posição. Luís Morais (Peugeot 106) era o quarto, mas trazia Vítor Sousa (Citroen Saxo) completamente colado. Entretanto Daniel Leal cortava a meta e terminava a época, tal como tinha começado, com uma vitória. Pedro Tiago via a bandeirada em segundo, mas não chegava para ganhar o campeonato. Sérgio Dias foi terceiro e sagrou-se Campeão Nacional. Andreia Oliveira (Toyota Starlet) foi ao podium como melhor concorrente feminina.

SUPER NACIONAL 2RM

Contrariamente ao que é costume a Super Nacional 2RM deu uma final morna, em que apenas três alinharam. Ricardo Mendonça levou o Peugeot 306, sem problemas à vitória, à frente de Daniel Sousa (Peugeot 106) e Rodrigo Campos, que com o Fiat Uno, conseguiu o mais baixo do podium, sem que ainda escapasse a um tête, com a meta quase à vista.

SUPER INICIAÇÃO

Rafael Rocha (Peugeot 106) foi o mais rápido no arranque. Na curva um, Pedro Domingos (Toyota Starlet) pressionava e pouco depois Gonçalo Macedo (WV Polo) colocava-se em terceiro. Pelo caminho tinha já ficado João Carlos Novo, pois o Peugeot 106 recusou-se a partir. Depois era a vez da má sorte bater à porta do Toyota Starlet de Andreia Sousa e também ela ficava fora da corrida. Na frente, Pedro Domingos ganhava a muito custo a liderança. Uma ultrapassagem dramática, em que Domingos forçava e Rocha fechava, foi o "momento chave". Rafael Rocha terminava em segundo, com problemas na junta da colaça e Gonçalo Macedo completamente "colado".

KARTCROSS

Mauro Reis (HS Sport) foi mais lesto no arranque e no meio da confusão Luís Almeida (Semog Brevo ER) acabava por perder posições e a pole position não lhe deu a vantagem que seria de esperar. Pelo meio passavam Jorge Gonzaga (ASK R268) e José Mota (Semog Bravo) que vinha da terceira linha da grelha e já era terceiro da geral. Com a corrida a passar de meio, Jorge Gonzaga assumia a liderança no final da reta da meta e deixava Mauro Reis a ter que se defender dos "ataques" que José Mota lhe ia lançando. Os homens do podium estavam encontrados por esta ordem. Tiago Freitas (HS Sport 600) chegava até ao quarto posto, com Sérgio Castro (ASK Evo) a cortar a meta a duas décimas. José Luís Pereira (AG Sport) encerrou o grupo dos seis da frente.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.