Segunda-feira, 28 de Novembro de 2022

Novo executivo tomou posse em Montalegre

Apesar de a oposição pedir eleições antecipadas, a decisão de dar posse a um novo executivo composto por eleitos nas últimas autárquicas foi aprovada hoje em reunião de câmara

-PUB-

Fátima Fernandes tomou posse, esta tarde, como presidente da Câmara Municipal de Montalegre. A acompanhá-la no executivo estão Ana Isabel Dias, que será a nova vice-presidente, Jorge Fidalgo e Manuel Fernandes como vereadores.

A autarca, que até agora era vereadora da educação e saúde, afirmou que “estão reunidas as condições para o executivo funcionar com toda a normalidade”.

“Estamos aqui com toda a confiança porque o nosso mandato termina em setembro de 2025. Os mandatos autárquicos têm continuidade, não se esgotam quando sai um ou outro”, afirmou ainda em declarações à comunicação social, no final da reunião de câmara desta quinta-feira, que tinha como únicos pontos a substituição de Orlando Alves e de David Teixeira e a tomada de posse do novo executivo. Sobre a Operação Alquimia, Fátima Fernandes, não se pronunciou, apenas referiu que num Estado de direito democrático há separação de poderes. “Não confundimos as coisas, não nos imiscuímos naquilo que não temos que nos imiscuir, à justiça o que é da justiça, à gestão autárquica o que é da gestão autárquica”, afirmou.

A oposição voltou a insistir na necessidade de realizar eleições intercalares, porque “a legitimidade democrática deste executivo está ferida” já que “as pessoas não votaram em Fátima Fernandes, votaram em Orlando Alves e David Teixeira”, afirmou José Moura Rodrigues, vereador do PSD.

Na próxima semana será realizada uma reunião de câmara extraordinária para definir os pelouros de cada membro do executivo.

Notícia desenvolvida na edição de 9 de novembro.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.