Sexta-feira, 24 de Setembro de 2021

O que custou a independência de timor-leste

Parece ter sido ontem. No entanto, já se passaram quase 30 anos.

-PUB-

No cemitério de Santa Cruz, em Díli (capital de Timor, antiga possessão colonial portuguesa), uma grande quantidade de pessoas (da ordem dos milhares) participava numa cerimónia fúnebre. De repente, saltaram de camionetas e carrinhas soldados indonésios que passaram a disparar incessantemente sobre os timorenses que lá se encontravam. Terão perecido 271, entre uns que morreram logo ali e outros que foram perseguidos numa fuga desvairada entre as sepulturas.

Um povo sofredor,um país adiado

A data do massacre (12 de novembro de 1991) permaneceu na memória do mundo inteiro que teve conhecimento da carnificina através de fotos obtidas por um jornalista inglês (Max Stahl), as quais foram divulgadas em todos os meios

Artigo exclusivo PREMIUM

Tenha acesso ilimitado a todos os conteúdos do site e à edição semanal em formato digital.

Se já é PREMIUM,
Aceda à sua conta em

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO.
APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.