Sábado, 13 de Agosto de 2022

Pastores transmontanos participam em “curso pioneiro”

Ensinar sobre o uso correto do fogo para limpeza de mato, tática recorrente no norte do país, foi o propósito desta iniciativa da associação Terra Maronesa.

-PUB-

Segundo a Lusa, uma ação de fogo controlado para gestão de combustíveis em Alfarela de Jales, Vila Pouca de Aguiar, serviu de aula prática para os 20 formandos presentes. O curso contou com a presença de sapadores florestais e começou pela explicação dos procedimentos e do trabalho de preparação pré-queimada, que exige autorização da autarquia local.

Fatores que influenciam a dinâmica do fogo, tais como a vegetação existente e as condições meteorológicas, foram referidas pelo formador Marco Ribeiro, engenheiro florestal especializado no comportamento de fogo. “Consoante a validação que fazemos ao terreno, definimos uma estratégia e um plano B”, avisa.

O curso, que envolve a Aguiarfloresta – Associação Florestal e Ambiental de Vila Pouca de Aguiar e a LENHOTEC, foi bem recebido pelos pastores e criadores de gado presentes. Francisco Carocha afirmou ser “um ensino bom e rigoroso” e salientou os cuidados que “temos que ter todos”.

António Moutinho refere que as queimadas são “uma ótima forma de fazer a gestão”, até porque “não temos capacidade para fazer a gestão dos matos que se vão acumulando”. Esta gestão é dificultada pelos custos elevados, inadequação de meios mecânicos e irregularidade dos terrenos.

O uso de um drone para acompanhar as frentes de fogo e o rescaldo permitiu a recolha de imagens e vídeos que são, posteriormente, analisadas entre formadores e formandos. O curso, de 200 horas, possui componentes teóricas e práticas e procura “formar, capacitar” os pastores para que “o processo seja mais seguro” e “responda melhor às suas necessidades”. No entanto, o “processo é demorado” e o acompanhamento por técnicos especializados será necessário por algum tempo.

A vindoura Escola dos Pastores, que arrancará em maio com aulas na serra do Alvão, está também associada a esta iniciativa.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.