Quarta-feira, 6 de Julho de 2022

Premiado o passageiro 1 milhão

Desde 2004 que está em funcionamento a Rede de Transportes Públicos de Vila Real, um serviço que, ao longo do tempo, tem vindo a entrar na vida dos cidadãos de tal forma que, segundo as estatísticas, cerca de 20 % dos utentes dos autocarros tem carta de condução e viatura própria. Como é o caso […]

Desde 2004 que está em funcionamento a Rede de Transportes Públicos de Vila Real, um serviço que, ao longo do tempo, tem vindo a entrar na vida dos cidadãos de tal forma que, segundo as estatísticas, cerca de 20 % dos utentes dos autocarros tem carta de condução e viatura própria. Como é o caso de Maria da Luz Cristiano, a passageira um milhão da Corgobus.

 

A Rede de Transportes Urbanos de Vila Real, serviço garantido pela empresa Corgobus, comemorou, no dia 4, dois anos de funcionamento, assinalando a data com a atribuição de um prémio ao passageiro um milhão.

Maria da Luz Pires Vaz Cristino, como muitos outros vila-realenses, utiliza, todos os dias, os transportes públicos, para ir trabalhar, um hábito adquirido com a entrada em funcionamento da Corgobus e que, no caso da enfermeira, de 47 anos de idade, foi reconhecido com o estatuto de passageira número um milhão.

Premiada com um fim-de-semana, para duas pessoas, na Póvoa de Varzim, Maria da Luz Cristino representa a população que, diariamente, utiliza os transportes públicos vila-realenses, num total de 1 milhão 29 mil e 278 passageiros, só em 2006, número que ultrapassou as expectativas da empresa, tal como aconteceu, no ano passado, altura em que foram transportados 822 mil e 572 passageiros.

Segundo um estudo, realizado, em Maio e Junho passados, “20 por cento dos utilizadores dos Transportes Urbanos de Vila Real possuem carta de condução e viatura própria”, o que, entre outros indicadores, comprova que “houve uma mudança substancial dos hábitos dos vila-realenses”.

Também Maria da Luz Cristino se deslocava, todos os dias, desde a Rua A Voz de Trás-os- -Montes ao Hospital de Vila Real, onde trabalha, na sua viatura, até 2004, altura em que os transportes públicos de Vila Real entraram em funcionamento.

“30 por cento dos utilizadores deslocam-se para estabelecimentos de ensino e 53 por cento correspondem a deslocações de casa para o trabalho”, explicou João Lino, Director da Corgobus, sublinhando que, na percentagem referente aos estudantes, não estão contabilizados os transportes escolares, o que faria aumentar, em muito, este valor.

Adriano Sousa, da Câmara Municipal de Vila Real, apresentou outros dados que comprovam o sucesso da Rede de Transportes. Segundo informações recolhidas pela autarquia, antes da entrada em funcionamento do serviço, “até 2001, cerca de 47 por cento da população local deslocava-se de automóvel individual, 29 por cento das pessoas andavam a pé e apenas 19 por cento utilizavam o autocarro. Até 2004, apenas 29,3 por cento da população dizia estar satisfeita com o sistema de Transportes Urbanos em vigor”, sendo que 45,7 por cento mostrava-se “pouco satisfeita”.

Números que, agora, fazem parte do passado, com a Corgobus a aproximar-se do transporte mensal de 120 mil passageiros.

Manuel Martins, Presidente da Câmara Municipal de Vila Real, mostrou-se satisfeito com o sucesso da Rede de Transportes e lamentou que a autarquia não tenha capacidade financeira para levar os autocarros mais longe e para alargar o horário de funcionamento da Rede, lembrando que este serviço, garantido pela empresa Corgobus (criada através da parceria entre uma empresa espanhola e a Empresa Municipal Vila Real Social), representa um investimento anual da autarquia na ordem dos 500 mil euros.

“Estamos receptivos a novas soluções, mas é necessário que todos colaborem”, explicou o autarca, lembrando que as pessoas devem assumir uma atitude positiva, quanto ao projecto de mobilidade sustentado da autarquia, preferindo os transportes públicos, em detrimento dos veículos particulares.

 

Maria Meireles

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.