Segunda-feira, 4 de Março de 2024
No menu items!

Presidente da ACIM reivindica pavilhão multiusos para acolher eventos

No arranque de mais uma edição da Feira da Alheira de Mirandela, Vitor Borges voltou a pedir a construção de um pavilhão multiusos, para que possa acolher os vários eventos que decorrem na cidade, ao longo do ano.

-PUB-

Arrancou ontem a XXIII edição da Feira da Alheira de Mirandela. O certame está de regresso ao formato presencial, depois de a última edição ter acontecido em 2020.

No seu discurso, Vitor Borges realçou a importância do evento, lembrando que “esta é uma fileira relevante no que diz respeito à empregabilidade”.

O presidente da ACIM (Associação Comercial e Industrial de Mirandela) aproveitou a oportunidade para “reforçar a importância de a cidade dispor de um pavilhão multiusos”, para acolher eventos como a Feira da Alheira, lembrando que “Mirandela é um centro geográfico no nordeste transmontano. Fica a meio caminho entre Bragança, Vila Real e Chaves”. Vitor Borges admite, por isso, que “urge, também, iniciar e pensar numa terceira zona industrial, que possa albergar lotes de maior dimensão, com menores custos construtivos e onde seja aliciante investir”.

Em resposta, Júlia Rodrigues admite que a construção do pavilhão é “um objetivo da câmara municipal, mas não para acolher a Feira da Alheira”. De acordo com a autarca, essa mudança “tira a centralidade da feira da cidade. A Feira da Alheira, como está pensada, tem toda a lógica e, mudando para um pavilhão, iríamos acabar com a vertente popular e de proximidade com quem é de cá e com quem nos visita. Não nos podemos esquecer que quem nos visita ao fim de semana gosta de passear junto ao rio”.

A Feira da Alheira de Mirandela decorre até amanhã. São mais de 100 expositores espalhados pelo Parque Império e pela rua da República.

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

VÍDEOS

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.