Segunda-feira, 25 de Outubro de 2021
OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Programa de Modernização vai intervir em mais seis escolas do distrito

Depois das Escolas Secundárias de São Pedro, Dr. João de Araújo Correia e Dr. Júlio Martim (cujas obras estão em curso ou prestes a começar), o Governo apresentou já a lista de escolas do distrito incluídas no pacote de mais noventa escolas a intervir na próxima fase do programa que, no total, e até 2015, pretende modernizar 332 estabelecimentos do terceiro ciclo de ensino

-PUB-

Entrando agora na sua quarta fase de concretização, o Programa de Requalificação das Escolas Secundárias vai abranger mais seis escolas do distrito de Vila Real.

O primeiro-ministro José Sócrates anunciou, no dia 29, aquando da inauguração da Escola Sá de Miranda, em Braga, a lista das 90 escolas que, a nível nacional, serão as próximas a ser objecto de obras de requalificação.

Depois da aposta, na fase dois do programa, na Escola Secundária Dr. João de Araújo Correia (na Régua) e, na fase seguinte, nas Escolas Secundárias Dr. Júlio Martins (Chaves) e São Pedro (Vila Real), na lista vão estar agora as Escolas Secundárias Fernão de Magalhães (Chaves) e Camilo Castelo Branco (Vila Real) e as Escolas Básicas e Secundárias de Sabrosa, Mondim de Basto, Murça e Montalegre (Escola Bento da Cruz).

Segundo a distrital do Partido Socialista, “mais uma vez, o Governo manifesta sensibilidade e sentido de coesão territorial com o distrito de Vila Real, dotando gradualmente as escolas de excelentes condições de trabalho e aprendizagem para os alunos, através de programas de requalificação que se traduzem num enorme investimento do Estado”.

Segundo fonte da Parque Escolar, empresa pública responsável pelos investimentos, o Programa de Modernização destinado ao Ensino Secundário, “visa, no essencial, cumprir três objectivos: requalificar e modernizar os edifícios das escolas com Ensino Secundário, repondo a eficácia física e funcional, numa perspectiva de criar condições para a prática de um ensino moderno, adaptado aos conteúdos programáticos, às didácticas e às novas tecnologias de informação e comunicação; abrir a escola à comunidade, criando condições para uma maior articulação com o meio envolvente, associado a uma correcta valorização patrimonial, garantindo o aproveitamento integral das potencialidades instaladas na infra-estrutura escolar; e criar um novo modelo de gestão das instalações, garantindo uma optimização de recursos instalados e uma correcta gestão da conservação e manutenção dos edifícios após a intervenção”.

No âmbito do Programa de Modernização da Parque Escolar, encontram-se já concluídas as obras de requalificação de 75 escolas secundárias de Norte a Sul do País. “Encontram-se adjudicadas ou com obras em curso outras 92 escolas, cinco em estudo ou projecto e outras 41 em fase de projectos em concurso para obra”, contabiliza o Governo, que tem como objectivo, através da empresa Parque Escolar, modernizar 332 escolas secundárias até 2015.

“Convém lembrar também que, em dois concelhos do distrito, o Governo realizou um significativo investimento nas escolas, dotando-as de melhorias com equipamentos que até à data não existiam”, recordou ainda a distrital socialista, referindo–se à “construção de um pavilhão novo na Escola Secundária de Valpaços, no valor de 1 milhão e 200 mil euros, e um outro na Escola Secundária de Mesão Frio, no valor de 864.061.00 euros”.

De sublinhar ainda que, o Programa de Requalificação das Escolas Secundárias está a ser desenvolvido em simultâneo com o programa de requalificação dos equipamentos do 1º Ciclo, que, em colaboração com os municípios, será responsável pela criação dos Centros Escolares, estruturas financiadas em cerca 65 por cento por Fundos Comunitários e que no distrito de Vila de Real correspondem a um investimento total na ordem dos 27 milhões de euros.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.