Sexta-feira, 3 de Dezembro de 2021
© DR

Proteção Civil registou mais de 900 ocorrências devido ao mau tempo

A Proteção Civil registou, esta noite, “um número significativo” de ocorrências devido ao mau tempo, totalizando 914 desde as 14h00 de quinta-feira. Nos distritos de Vila Real e Bragança registaram-se algumas quedas de árvores e inundações sem gravidade

-PUB-

“Até às 20h00 de ontem (sexta-feira) tínhamos apenas 200 ocorrências, ou seja, esta noite registou-se um número significativo de ocorrências, envolvendo quedas de árvores, inundações, quedas de estruturas e limpezas de via”, disse hoje o Comandante Paulo Santos, oficial de serviço da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), à agência Lusa.

Desde as 14 horas da passada quinta-feira, dia do alerta da Proteção Civil, foram registadas 914 ocorrências relacionadas com a meteorologia adversa, mas não há “registo de danos significativos ou sequer de feridos”, adiantou o comandante.

De acordo com o Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Vila Real, até às 11h30 desta manhã, “registaram-se cinco quedas de árvores e procedemos à limpeza de algumas vias. Registaram-se, ainda, algumas inundações em habitações, duas delas em Pedras Salgadas (Vila Pouca de Aguiar) e uma nas Flores (Vila Real)”.

Segundo dados da Estação Meteorológica Automática (EMA) do IPMA, a cidade de Chaves acumulou 62.8 litros por metro quadrado em apenas três horas, entre as 19 e as 21 horas de ontem.

No distrito de Bragança, “durante a noite foi necessário proceder a alguns desentupimentos e registaram-se algumas quedas de árvores, mas que não obrigaram a um grande trabalho por parte dos meios, sendo rapidamente resolvidos”, destacou o CDOS de Bragança em declarações à VTM.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.