Sexta-feira, 1 de Julho de 2022

PSP e GNR não saem da cidade

A PSP e a GNR vão manter-se em Lamego. Esta decisão foi tomada depois numa reunião havida, na quinta-feira à tarde, em Lisboa, entre o Ministro da Administração Interna, António Costa, e o Presidente da Câmara Municipal de Lamego, Francisco Lopes. “É uma decisão definitiva”– garantiu-nos este autarca. “O senhor Ministro decidiu bem e foi […]

A PSP e a GNR vão manter-se em Lamego. Esta decisão foi tomada depois numa reunião havida, na quinta-feira à tarde, em Lisboa, entre o Ministro da Administração Interna, António Costa, e o Presidente da Câmara Municipal de Lamego, Francisco Lopes.

“É uma decisão definitiva”– garantiu-nos este autarca.

“O senhor Ministro decidiu bem e foi de encontro àquilo que nós desejávamos, prevalecendo a preocupação da prestação dos serviços ao cidadão e não obedecendo a critérios que tenham os números como factor dominante”.

Francisco Lopes soube de António Costa que a responsabilidade, ao nível da segurança, no que respeita a uma freguesia do concelho, vai sofrer uma alteração. Assim, alguns lugares da freguesia de Almacave, entre outros, Souto Covo, até agora sob a alçada da GNR, passarão para a PSP, ficando esta com a totalidade da freguesia. No que concerne à freguesia da Sé, será partilhada pela PSP (na zona urbana) e GNR (zona rural). De referir que mal a decisão do Ministro foi conhecida, em Lamego, a reacção da população foi de satisfação geral, tendo sido posto um ponto final a alguma apreensão, por parte da própria autarquia e dos agentes locais.

Sublinhe-se, ainda, que estas alterações vêem na sequência da reestruturação das forças policiais e da redefinição das competências territoriais que está a ser levada a cabo pelo Ministério da Administração Interna (MAI).

 

Jmcardoso

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.