Sexta-feira, 30 de Setembro de 2022

Reativação de incêndio ocorreu perto de aldeias e em zona de pinhal

A reativação forte verificada esta tarde na zona de Relva e Outeiro, na serra do Alvão, Vila Real, ocorreu em área próxima de aldeias e em zona de pinhal, depois de um dia de trabalhos de consolidação, segundo a Proteção Civil.

-PUB-

“Tivemos efetivamente esta reativação. Foi depois de um dia que correu favoravelmente, esta reativação inesperada numa aérea próxima de populações e com um pequeno povoamento de pinhal que nos obrigou a reposicionar os meios e a alterar a estratégia””, afirmou Miguel Fonseca, comandante distrital de operações de socorro (CODIS) de Vila Real.

No terreno, segundo o responsável, as operações estão a “decorrer com algum nível de dificuldade”.

O fogo aproximou-se da aldeia de Cravelas, mas, segundo o CODIS, “não houve necessidade retirar pessoas”.

O vento que se verifica no terreno é uma preocupação para os operacionais.

“Contamos com descida de temperatura, mas o vento vai subir de velocidade e contamos que faça uma rotação de forma a direcionar o incêndio mais para o lado da área ardida nos últimos dias”, referiu.

Ao teatro de operações estão, de acordo com o responsável, a chegar reforços, havendo um posicionamento de bombeiros numa área queimada já no ano passado, pretendendo-se aproveitar “essa oportunidade para poder confinar” o fogo.

Este incêndio teve início na manhã de domingo, queimou uma área de 4.500 hectares de mato e pinhal e entrou em resolução ao início da noite de segunda-feira.

Miguel Fonseca disse que o distrito de Vila Real teve esta tarde quatro fogos ativos com “nível de dificuldade muito alto”, referindo, no entanto, que “tem havido uma capacidade para canalizar reforços”.

Segundo o ‘site’ da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), pelas 21:00 estavam mobilizados para este incêndio 408 operacionais e 120 viaturas.

Em Paradança, Mondim de Basto, 82 operacionais, com o apoio de 22 viaturas, combatem um incêndio que levou à retirada, por precaução, de 16 pessoas, duas de uma habitação privada e 14 de uma estalagem.

O presidente da Câmara de Mondim de Basto, Bruno Ferreira, disse à Lusa que as pessoas que foram transportadas para o Estádio Municipal e que estão a ser acompanhadas pelos serviços de ação social do município”.

Os outros dois incêndios que lavravam no distrito, em Mesão Frio e em Valpaços, estão já em fase de resolução.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.