Sábado, 3 de Dezembro de 2022
0,00 EUR

Nenhum produto no carrinho.

Técnicos de diagnóstico e terapêutica exigem atualizações remuneratórias

Os técnicos superiores de diagnóstico e terapêutica do Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro (CHTMAD) saíram hoje á rua para pedir "justiça" no que diz respeito, por exemplo, às atualizações remuneratórias.

PUB

Cerca de três dezenas de profissionais juntaram-se, ao final da manhã desta sexta-feira, à entrada do hospital de Vila Real para se insurgirem contra algumas situações que os têm prejudicado.

“Pedimos que seja cumprida a legislação no que diz respeito à atribuição de um ponto e meio por cada ano de trabalho, de forma a regularizar as carreiras”, refere Assunção Nogueira, acrescentando que “no caso deste hospital, tem-se verificado uma ilegalidade no que diz respeito ao banco de horas. Para além destes profissionais estarem a acumular horas extraordinárias, as mesmas não são pagas como tal. É uma situação que deixa os colegas descontentes”.

Segundo a dirigente sindical, “hoje é o arranque de uma luta que vai percorrer o país, para mostrar ao governo que queremos recomeçar as negociações que estavam a ser feitas com a equipa anterior do ministério da Saúde e que, com a chegada de um novo ministro, caíram por terra”.

“Queremos que nos ouçam, já pedimos várias reuniões com o ministro Manuel Pizarro, mas não temos tido qualquer resposta”, conta, referindo que “a luta vai culminar com a adesão à greve nacional da função pública, marcada para dia 18 deste mês”.

De referir que, no CHTMAD, trabalham cerca de 300 técnicos superiores de diagnóstico e terapêutica que, a partir de hoje, vão, também, deixar de fazer horas extras, numa tentativa de “obrigar o Conselho de Administração a contratar mais profissionais. Se é necessário que os atuais façam horas extras, é porque há falta de recursos humanos”.

Notícia desenvolvida na edição de 16 de novembro

PUB

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.