Sexta-feira, 1 de Julho de 2022

Tradições ancestrais vividas no lagar

As tradições das vindimas durienses foram revividas, recentemente, em Celeirós do Douro. A já famosa lagarada tradicional voltou a ser um sucesso e assume-se, já, como um acontecimento de relevante interesse etnográfico e turístico. Para o efeito, as pitorescas ruas de Celeirós, possuidoras de imponentes casas e monumentos cheios de história, foram o cenário para […]

As tradições das vindimas durienses foram revividas, recentemente, em Celeirós do Douro. A já famosa lagarada tradicional voltou a ser um sucesso e assume-se, já, como um acontecimento de relevante interesse etnográfico e turístico. Para o efeito, as pitorescas ruas de Celeirós, possuidoras de imponentes casas e monumentos cheios de história, foram o cenário para esta iniciativa. Muita gente aproveitou as barraquinhas, para provar a comida típica e o bom vinho da região. Também o artesanato esteve representado, na sua genuinidade, através da presença das artes de cestaria, tamancaria e marcenaria, entre outros.

Nos oito lagares disponibilizados para a pisa da uva, a animação foi muita e o espaço foi sempre reduzido para a grande multidão de visitantes e participantes. A presença da música e danças tradicionais esteve bem confiada às Gaitas de Foles de Miranda, Concertinas de Mondim, Rancho Folclórico do Pinhão, tendo actuado, à noite, um Grupo da Galiza “Pablo Seuane” e um duo de Cadaujac, em representação da escola de música local.

A lagarada trouxe um ainda maior número de visitantes à aldeia e ficou marcado pelo cortejo e bênção dos mostos, bem como a “lagarada no feminino”, com a especial participação da campeã olímpica Rosa Mota. Mais música tradicional marcou esta faina, com as concertinas de Tarouca e de Saidões (Fafe), o Rancho Folclórico de Barqueiros, o Grupo de Cantares de Medrões e o Grupo de Cantares de Constantim.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.