Quinta-feira, 11 de Agosto de 2022

Três instituições recebem 54 mil euros para implementar projetos

Centro Social, Recreativo e Cultural de Vilar de Maçada, Unidade de Cuidados Continuados da Santa Casa da Misericórdia de Alijó e Fundação Abrigo Berta Montalvão foram as contempladas pelo Movimento “Mais para Todos”

-PUB-

O Movimento “Mais para Todos” atribuiu verbas a três instituições do distrito, que apresentaram projetos na área social. Uma das instituições foi o Centro Social, Recreativo e Cultural de Vilar de Maçada, que apresentou o projeto “Alojamento de Emergência e Reabilitação Social”, que pretende ser uma resposta social destinada ao acolhimento urgente e temporário de indivíduos adultos que padecem de graves carências, nomeadamente económicas, habitacionais, familiares e sociais. O acompanhamento e alojamento deverão ocorrer durante o período previsto de 3 meses podendo ser renovado até ao limite de 6 meses, de acordo com as necessidades de intervenção e reabilitação de cada pessoa.

A verba recebida, no valor de 6 mil euros, vai ajudar a implementar o projeto no terreno, no entanto, o Centro Social necessita de mais ajudas, quer de entidades públicas, quer de privados, já que todos os apoios “serão uma mais-valia”, sustentou a diretora de serviço, Alexandra Magalhães, adiantando ainda que necessitam “da aprovação dos protocolos com a Câmara Municipal de Alijó e com Junta de Freguesia de Vilar de Maçada”. Depois poderão ser também “feitas parcerias com privados, que poderão colaborar com bens ou serviços voluntários”.

Numa primeira fase poderão ser abrangidas até 7 pessoas, mas será possível um alargamento com o apoio do Movimento “Mais para Todos”, que poderá atingir a capacidade máxima de 50 utentes.

Não será necessário construir uma infraestrutura uma vez que o AERS irá beneficiar de meios, recursos, espaços que até então era conhecida pela “Casa da Eira”, que ficou desativada com a abertura do novo lar, sendo que os utentes foram integrados na nova estrutura. “Foi uma forma de reaproveitarmos a Casa da Eira para o bem da comunidade”, reforçou Alexandra Magalhães.

Em breve, este Centro Social deverá abrir o ERPI- Estrutura Residencial para Pessoas Idosas, e está ainda prevista uma candidatura a um novo projeto para um Jardim Geriátrico, que pretende aproveitar as zonas verdes que existem no espaço envolvente da instituição.

A direção agradece este prémio a todos os colaboradores, familiares dos utentes, àqueles que, direta ou indiretamente, os têm ajudado nas parcerias e diversos protocolos. Um agradecimento especial vai para o Instituto da Segurança Social de Vila Real e a Câmara Municipal de Alijó.

Também a Unidade de Cuidados Continuados da Santa Casa da Misericórdia de Alijó foi premiada com uma verba a rondar os 37 mil euros, com o projeto “Regresso mais Fácil ao Domicílio”, que pretende melhorar o apoio ao doente e facilitar a sua integração no domicílio após alta médica, de forma a viverem de forma mais ativa e criativa no seu contexto familiar. Serão realizadas visitas domiciliárias, avaliando barreiras arquitetónicas, fornecendo ajudas técnicas e apoiando o prestador de cuidados. Esperam ajudar 30 a 50 pessoas. O provedor da Santa Casa, João Manuel Costa, ficou muito satisfeito por ver a sua instituição contemplada, sobretudo nesta altura em que as dificuldades são uma constante no dia-a-dia. “Gostamos de prestar um bom serviço à comunidade e é sempre bem-vinda qualquer ajuda em momentos de crise como aqueles que atravessamos”. Adiantou ainda que “os utentes poderão, a partir de agora, quando têm alta, ter um melhor acompanhamento nas suas próprias casas”.

A Fundação Abrigo Berta Montalvão, em Loivos, Vidago, foi terceira instituição do distrito de Vila Real premiada com um valor de 11 mil euros, com o projeto “A distância não é limite para ajudar”, que pretende chegar, numa primeira fase, a dez pessoas que se encontrem em situação de isolamento, através da disponibilização de equipamentos de teleassistência. Mais tarde poderá ser alargado a mais pessoas que necessitem. O projeto visa também assegurar um acompanhamento de indivíduos em situação de incapacidade, para que se sentam mais seguros e tranquilos, com a garantia de apoio imediato, sempre que necessário ou em caso de emergência. A área de abrangência “será a parte sul do concelho de Chaves, que são zonas mais desprotegidas e que necessitam de um acompanhamento especial por parte da instituição”, referiu Celso Correia, responsável pelo projeto.

O Movimento “Mais para Todos” é uma iniciativa solidária de angariação de fundos para apoiar instituições que todos os dias estão no terreno a ajudar as comunidades locais. Para ajudar e juntar-se ao Movimento basta escolher marcas socialmente responsáveis e empenhadas em apoiar as pessoas que mais precisam.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.