Sexta-feira, 3 de Dezembro de 2021

Um milhão de euros destinado à inclusão social no concelho

O programa CLSD-4G de Mogadouro destinado à promoção da inclusão social entrou hoje em funcionamento, por um período de três anos, sendo um projeto promovido pelo município, coordenado pela Misericórdia e dotado de 500 mil euros.

-PUB-

"O Programa CLDS-4G tem por finalidade promover a inclusão social dos cidadãos através de ações, a executar em parceria, que permitam contribuir para o aumento da empregabilidade, para o combate das situações críticas de pobreza, especialmente a infantil, da exclusão social em territórios vulneráveis, envelhecidos ou fortemente atingidos por calamidades"m indicou à Lusa o provedor da Misericórdia de Mogadouro, João Henriques.

Este programa social criou quatro postos de trabalhos, "em altura de crise", destinados a técnicos qualificados.

"Os principais eixos do projeto passam por promover a inclusão social dos cidadãos, aumentar a empregabilidade e qualificação, combater situações críticas de pobreza, particularmente a infantil, da exclusão social e promover a inclusão ativa das pessoas com deficiência e incapacidade", o responsável.

O programa CLDS – 4G de Mogadouro, designado "MoGadouro, Gentes, Gestos e Garra" é financiado pelo Instituto de Segurança Social, que permitirá minimizar a exclusão social por ser um instrumento que visa intervir numa lógica de proximidade.

"Sendo um projeto para, e com, a comunidade, pretende-se potenciar parcerias e promover uma intervenção e ação integradas considerando os objetivos previstos, que abrangem áreas como o envelhecimento, desemprego, capacitação e empreendedorismo", vincou João Henriques.

Os principais eixos do projeto passam por promover a inclusão social dos cidadãos, aumentar a empregabilidade e qualificação, combater situações críticas de pobreza, particularmente a infantil, da exclusão social e promover a inclusão ativa das pessoas com deficiência e incapacidade.

O CLDS – 4G é considerado pelos seus promotores "uma nova geração contratos sociais", com um enfoque alargado aos territórios especialmente afetados pelo desemprego e em os territórios marcados por situações críticas de pobreza, em especial a pobreza infantil.

Os contratos têm vindo a ser implementados "de modo paulatino desde 2007" e durante este período foi possível identificar alguns "constrangimentos" à concretização das ações contempladas em plano de ação e que se prendem, sobretudo, com "a desadequação dos atuais normativos reguladores face à conjuntura socioeconómica contemporânea".

Estes instrumentos de política social, em funcionamento em mais de 60 concelhos, têm sido, por isso, ajustados às concretas necessidades das pessoas e dos territórios, sendo capazes de acompanhar os desafios sociais atuais.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.