Quarta-feira, 6 de Julho de 2022

Vírus misterioso põe habitantes em alerta

Vidago não tem tido sossego, nos últimos dias. Um surto misterioso que tem levado as suas crianças para o Hospital de Chaves está a tirar o sono à sua população. “Por mim, a escola deveria ser toda desinfectada e fechada, durante alguns dias” – desabafo do proprietário de um café de Vidago que exprime a […]

Vidago não tem tido sossego, nos últimos dias. Um surto misterioso que tem levado as suas crianças para o Hospital de Chaves está a tirar o sono à sua população.

“Por mim, a escola deveria ser toda desinfectada e fechada, durante alguns dias” – desabafo do proprietário de um café de Vidago que exprime a preocupação reinante, na vila termal, perante a ocorrência provável de um surto epidemiológico, na Escola E.B 2,3 local.

O estado patente de alguma apreensão leva António Aires, um cliente deste mesmo café e habitante da vila, a questionar: “se já se sabe que pode ser um vírus, mais uma razão para que a escola fosse alvo de um tratamento especial”. Também o Comandante dos Bombeiros Voluntários de Vidago, Fernando Cadete, embora admitindo que “nestes últimos dias, não fiz, para Chaves, qualquer transporte de alunos contaminados”, teme o pior: “Ora, se há um vírus, como tudo indica, e sabendo–se que os alunos regressam a suas casas e mantêm contactos com os seus familiares, se isto alastrar, não sei como vai ser!”.

Pelo sim e pelo não, também a Delegação Regional de Saúde do Norte recomendou “o reforço da higiene das mãos e dos alimentos, quer na Escola quer nas famílias dos alunos”.

O Vice-Presidente do Conselho Executivo da Escola E.B 2,3 admitiu que “a situação estabilizou”, acrescentando que “não houve mais casos e parece estar tudo controlado”. Porém, segundo um funcionário da escola, verificou-se que “também uma funcionária que trabalha na secretaria teve de receber tratamento. Começou a sentir náuseas, dores de cabeça e má disposição generalizada” – acrescentou.

“O que é estranho é só os alunos do escalão etário dos 12 e 13 anos é que estão a ser atingidos” – salientou, acrescentando: “Com as pastilhas que lhes estão a ser ministradas, parece que a situação se estará a resolver”. Entretanto, a brigada da ASAE, de Mirandela, fez uma vistoria de segurança e higiene alimentar à Escola EB 2,3 de Vidago e, ao que soubemos, não detectou qualquer deficiência.

Em curso, está uma investigação epidemiológica, levada a cabo pela Delegação Regional de Saúde, para apurar as causas de uma suposta intoxicação e infecção alimentar que já afectou mais de uma centena de crianças, vários professores e funcionários da escola.

 

Jmcardoso

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.