Sábado, 4 de Dezembro de 2021

Zadok Ben-David celebra Humanidade com mais de 4 mil esculturas em Bragança

“People I Saw But Never Met” é a maior exposição do artista em Portugal, inserida no Terra(s) de Sefarad, Encontros de Culturas Judaico-Sefardita

-PUB-

Intitulada “People I Saw But Never Met”, a maior exposição do escultor Zadok Ben-David em Portugal, apresenta mais de 4 mil esculturas de celebração da Humanidade e da diversidade. A instalação foi inaugurada esta quarta feira, no Centro de Arte Contemporânea Graça Morais, em Bragança.

“Viajei por todo o mundo nos últimos 20, 30 anos e vi pessoas diferentes em países diferentes, com diferentes religiões. Acabei por conhecer muita gente que se tornou minha amiga. Mas percebi que somos todos seres humanos, temos as mesmas paixões, amores, ódios, sentimentos”, explicou o escultor natural do Iémen no decorrer da inauguração da mostra. A discriminação marcou as suas viagens, levando-o a acreditar que “as pessoas não percebem porque se tornam racistas. Não conhecem outros povos, têm medo destes, são ignorantes, e protegem-se a si próprias com este tipo de ódio”, e são os sentimentos das pessoas, a discriminação, a diversidade que inscreve na sua obra, com mais ou menos detalhe.

São mais de 4 mil as esculturas de figuras humanas representativas da diversidade e da pluralidade de etnias, idiomas, tradições, culturas e religiões. “A minha ideia foi colocar todos eles, de diferentes backgrounds, no mesmo planeta, no mesmo nível, misturados e passando a mensagem da diversidade”, sublinhou Zadok Ben-David, referindo que o seu trabalho resulta de fotografias que realiza, a partir das quais é passado o desenho por si executado para inox. “Têm muitos ou poucos detalhes, de acordo com a minha escolha, e registam e o sentimento da pessoa. Todas as imagens estão lá, vivem nas linhas do meu desenho”, esclareceu o escultor, que se mostrou muito satisfeito com o espaço de Bragança, considerando o CACGM “maravilhoso”.

“People | Saw but never met” integra o programa cultural do Terra(s) de Sefarad — Encontros de Culturas Judaico-Sefardita, e pode ser visitada em Bragança até 20 de outubro.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.