Terça-feira, 15 de Junho de 2021

286 doentes internados em cuidados intensivos

Portugal registou hoje 39 mortos e mais 4.007 casos de novas infeções pelo novo coronavírus, tendo alcançado um novo recorde de 286 doentes internados nos cuidados intensivos por covid-19, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS).

-PUB-

De acordo com o boletim epidemiológico da DGS hoje divulgado, Portugal contabiliza 141.279 casos confirmados de infeção pelo novo coronavírus, mais 4.007 do que na véspera, e 2.507 óbitos, mais 39.

Continuam ativos 58.492 casos, mais 1.137, e 2.831 pessoas recuperaram da doença em relação a sexta-feira, para um total de 80.280 recuperados desde o início da pandemia em Portugal.

No caso dos internamentos, o número de pessoas hospitalizadas continua a subir desde há mais de uma semana, sendo agora de 1.972 pessoas, mais 45 do que na sexta-feira, das quais 286 (mais 11) estão em Unidades de Cuidados Intensivos.

Das 39 mortes registadas, 23 ocorreram na região Norte, 12 em Lisboa e Vale do Tejo, duas na região Centro, uma no Alentejo e uma no Algarve.

As autoridades de saúde têm agora sob vigilância um total de 64.514 pessoas, menos 791 pessoas nas últimas 24 horas.

A região Norte continua a registar o maior número de novas infeções diárias, hoje com mais 1.900 casos, para um total de 63.327, e 1.111 mortos desde março, 23 dos quais desde a atualização dos dados na sexta-feira.

Na região de Lisboa e Vale do Tejo foram notificados mais 1.406 novos casos de infeção, contabilizando a região um total acumulado de 59.343 casos e 992 mortes, das quais 12 nas últimas 24 horas.

Na região Centro registaram-se 552 novos casos, contabilizando 12.287, e 314 mortos, mais dois do que na véspera.

Ao Alentejo, o relatório atribui mais 61 novos casos de infeção, totalizando 2.734, e um novo óbito, para um total de 47.

A região do Algarve tem hoje notificados mais 80 casos de infeção, somando 2.779 casos, e um novo óbito, que eleva para 28 o total de mortes relacionadas à covid-19 desde março.

Na Região Autónoma dos Açores foram notificados mais três casos nas últimas 24 horas, somando 369 infeções detetadas e 15 mortos desde o início da pandemia.

A Madeira registou cinco novos casos nas últimas 24 horas, contabilizando 440 infeções, sem registo de óbitos por covid-19 até hoje.

Os casos confirmados distribuem-se por todas as faixas etárias, situando-se entre os 20 e os 59 anos o registo de maior número de infeções.

No total, o novo coronavírus já afetou em Portugal pelo menos 64.111 homens e 77.168 mulheres, de acordo com os casos declarados.

Do total de vítimas mortais, 1.287 eram homens e 1.220 mulheres.

O maior número de óbitos continua a concentrar-se nas pessoas com mais de 80 anos.

Portugal tinha ultrapassado na sexta-feira todos os recordes desde o início da pandemia covid-19 com o registo de 40 mortos, 4.656 infetados e 1.927 doentes internados, 275 dos quais em cuidados intensivos, segundo a DGS.

O país tinha ultrapassado a barreira das 1.000 infeções diárias em 08 de outubro, atingindo 1.278 casos, um valor apenas registado a 10 de abril quando foram notificados 1.516 novos casos.

Desde 8 de outubro os números foram sempre em crescendo, ultrapassando pela primeira vez as duas mil infeções a 14 de outubro (2.072 casos), as três mil em 22 de outubro (3.270) e as 4.000 na quinta-feira, dia 29 de outubro.

No que respeita aos internamentos, no início da pandemia Portugal registou um máximo em abril com 1.302 pessoas internadas, valor superado em 22 de outubro, com a existência de 1.365 casos de internamento tendo hoje chegado aos 1.927.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 1,1 milhões de mortos e mais de 45,6 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

 

 

APOIE O NOSSO TRABALHO.
APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.