Terça-feira, 18 de Janeiro de 2022
©DR

630 mil euros para Balneário do Cardal

A Câmara de Vila Pouca de Aguiar anunciou que irá investir cerca de 630 mil euros na construção do Balneário Termal do Cardal.

-PUB-

O objetivo passa por potenciar a exploração de água natural e alavancar novos investimentos.

De acordo com Alberto Machado, presidente da autarquia, “este balneário não é um ponto de chegada da política termal que se pretende dinamizar, é sim uma nova porta que se abre e que vai promover outro tipo de investimentos neste território termal”.

O empreendimento vai ser construído na zona do Cardal, entre as freguesias de Sabroso e Vreia de Bornes, e conta com financiamento do programa Norte 2020. A obra deverá estar concluída nos primeiros meses de 2023.

“Nós vamos cumprir um conjunto de pré-requisitos de investigação, que visam fundamentar a utilidade da água termal com fins médicos e lúdicos”, acrescentou Alberto Machado. O objetivo é “potenciar a exploração da água mineral natural” existente no local, através da construção de um equipamento com a configuração de balneário que vai ter um programa também vocacionado para os tratamentos termais tradicionais.

Pretende-se que o empreendimento se afirme como “polo de atração turística” para o município e para a região do Alto Tâmega. O edifício terá consultório médico, antecedido por uma unidade de triagem e por uma zona de tratamentos com sala de espera, onde será instalado um “buvete” da água mineral natural que será ali explorada.

Depois de um processo “longo e difícil”, o município de Vila Pouca de Aguiar assinou o contrato de concessão de exploração da água do Cardal em maio de 2019. A área de exploração concedida é de 72,5 hectares e o prazo inicial da concessão é de 50 anos.

Este processo foi iniciado nos anos noventa quando, por um acaso, se descobriu a água gasocarbónica. Este ano, a Direção-Geral de Energia e Geologia (DGEG) aprovou o plano de exploração de água mineral natural no Cardal, em Sabroso de Aguiar.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.