Quinta-feira, 11 de Agosto de 2022

A força da Fé fez milhares de vila-realenses saírem à rua

Mais de seis décadas depois de ter visitado o distrito, a Imagem de Nossa Senhora de Fátima regressou para fazer transbordar o coração dos cristãos vila-realenses. “Banhada” sempre por multidões, a Peregrina está a fazer um périplo pelos 14 concelhos que termina no próximo domingo…

-PUB-

Maria Meireles

 

 Foi com palmas, pétalas de flores e até lágrimas de emoção que a Imagem Peregrina de Nossa Senhora de Fátima chegou, no dia 4, ao centro da cidade de Vila Real para uma visita de dois dias que levou milhares de pessoas à rua, numa demonstração de fé e devoção que vai ficar marcada na história da diocese.

A Imagem de Nossa Senhora saiu do Santuário de Fátima no dia 13 de maio, para uma peregrinação por todas as dioceses portuguesas que vai prolongar-se durante um ano, sendo que o distrito vila-realense foi o quarto a receber a visita oficial, depois de Viseu, Braga e Viana do Castelo.

A peregrinação deu entrada no espaço da diocese no dia 28, em Mondim de Basto, vai passar por todos os concelhos, fazendo inúmeras paragens não só nas sedes de concelhos mas em várias aldeias, até ao próximo domingo, altura em que será ‘entregue’ à diocese brigantina.

Apesar de outras Imagens terem ao longo dos anos viajado pelo país, passando inclusivamente pelo distrito, a Nossa Senhora de Fátima que agora está em peregrinação “foi a primeira réplica a ser feita com a indicação da irmã Lúcia” a partir da imagem oficial, que se encontra na Capelinha das Aparições, no Santuário de Fátima. “Todas as Imagens Peregrinas (13 no total) foram réplicas desta. Esta foi a que peregrinou em 1954, nos 50 anos das aparições, por isso é que Ela tem este valor”, explicou o Padre Hélder, responsável pela equipa que acompanha a visita da Virgem à diocese vila-realense.

Apesar de ter “percorrido, por diversas vezes, o mundo inteiro, levando consigo uma mensagem de paz e amor”, desde 2000 que estava no Santuário, sendo atualmente uma “imagem muito preservada por causa do valor estimativo e patrimonial”. A decisão de voltar a levar Virgem Peregrina até aos fiéis de todo o país foi tomada como forma de preparar a comemoração do centenário das aparições, que decorrerá entre 2016-2017.

 

“Nos momentos de receção as comunidades sempre procuram estar, mas é nas procissões de velas e nas eucaristias que se nota mesmo o quanto as pessoas gostam de Nossa Senhora Maria Santíssima. Por isso é que há sempre um grande empenho da parte das pessoas para a receb er bem”, explicou o sacerdote, testemunhando a forma calorosa como que a imagem tem sido acolhida pelas várias localidades por onde passa.

 

Mais de três mil luzes seguiram a Virgem pelas ruas da cidade

 

Flor a flor, pétala a pétala, um trabalho minucioso para garantir o manto colorido por onde passa a Virgem Maria, um “mimo”, uma “demonstração de amor”. Assim são os tapetes de flores sempre estendidos à chegada da Imagem. E em Vila Real não foi diferente. Quando a Imagem chegou à Praça da Nossa Senhora da Conceição, primeiro ponto de paragem no centro da cidade (depois de ter passado por algumas localidades do concelho como Justes, Sanguinhedo, Leirós, Linhares, São Tomé do Castelo) lá estava a passadeira florida e centenas de pessoas à sua espera. “Fazemos o que podemos, damos o nosso melhor para a receber com todo o nosso amor” explicou, Conceição Pereira, devota da Nossa Senhora e uma das muitas pessoas que ajudaram a decorar o caminho por onde passou a imagem.

Ao mesmo tempo chegaram também à praça os Motards que acompanharam a Nossa Senhora, cerca de 50, entre os de Vila Real que a “receberam” e os de Murça que a “entregaram”. “O nosso papel foi acompanhar a Nossa Senhora de Fátima desde o limite do concelho até ao centro da cidade”, explicou Zé Gaio, presidente do Clube Motard da Senhora da Pena, lembrando que, apesar do Santo Padroeiro dos motociclistas ser o São Rafael, “a Nossa Senhora de Fátima tem um significado muito forte” para os motards.

À noite, a imagem percorreu as ruas da cidade, desde a igreja da Nossa Senhora da Conceição até à Praça do Município, uma procissão de velas que alguns garantem ter contado com mais de três mil pessoas, mas houve quem falasse mesmo em cinco mil vila-realenses.

“A presença da Imagem da Santíssima Virgem e a própria figura da mãe de Deus é sempre empolgante. De facto ela é bem-aventurada porque acreditou em tudo quanto lhe foi dito da parte do Senhor, é modelo de mulher, de esposa, de mãe, de discípula de Jesus Cristo. Ela empolga sempre as multidões”, reconheceu D. Amândio Tomás, Bispo de Vila Real.

No entanto, o bispo vila-realense sublinhou a importância de “que se reconduza a mãe ao filho”, para não se ficar apenas “no entusiasmo”. “O entusiasmo é importante, mas é necessário multiplicar estes atos de devoção mariana para a catequese, para ensino da Fé do povo de Deus, que devemos procurar incrementar”, defendeu D. Amândio Tomás sublinhando a necessidade de “trabalhar na evangelização através da família, que é o púlpito, a escola, o lugar de onde irradia a iniciação, onde começa a fé”.

Foi a vez da Nossa Senhora vir ao encontro dos fiéis

 

Para os vila-realenses que são peregrinos de Fátima, pelo menos uma vez por ano mais de 300 quilómetros são percorridos a pé para ir ao encontro da Virgem, por isso, a notícia da visita da Imagem Peregrina foi recebida “com muita emoção”. “É uma emoção enorme, um sentimento que não se consegue explicar”, testemunhou à VTM Adriano Gonçalves, residente em Nogueira, no concelho de Vila Real, um peregrino que já “caminhou pela fé” até ao Santuário 20 vezes.

No dia que a viagem pelas dioceses começou, no último 13 de maio, o vila-realense estava no Santuário com o grupo de cerca de 25 pessoas que o acompanhou. “Quando ela saiu de Fátima nem sonhávamos que ela passaria por Nogueira, mas ela atendeu as nossas preces e vai passar pela nossa terra”, adiantou o devoto da Nossa Senhora que no dia da Eucaristia realizada na Praça do Município fez questão de, mais uma vez, “caminhar pela fé”, deslocando-se a pé da freguesia onde reside até ao centro da cidade.

Quanto às comemorações do centenário, Adriano Gonçalves, que faz a peregrinação de 320 quilómetros todos os anos, às vezes duas vezes por ano, deixa a garantia que vai voltar a caminhar até Fátima em 2016 e 2017, em maio e em outubro, a não ser “que aconteça alguma catástrofe, alguma coisa muita grave” que o impeça.

 

Antigo piloto conduz a Imagem

 

E para que a Imagem Peregrina possa chegar aos fiéis de todo o distrito existe uma equipa organizadora da visita à diocese, um grupo de pessoas dedicadas a cem por cento para garantir que tudo corre dentro do previsto. Uma dessas pessoas é José Rodrigues, antigo piloto de provas automobilísticas, hoje zelador e motorista da Nossa Senhora. “Para mim é um privilégio desempenhar essa função, ter a responsabilidade de que nada aconteça à Nossa Senhora”, referiu.

Depois de se ter dedicado ao mundo das velocidades durante mais de 25 anos, José Rodrigues garante que ao acompanhar a Virgem Maria sente “uma sensação de alegria e de bem-estar” tão grande quanto a que sentia “quando ganhava corridas e campeonatos”. “É gratificante, é uma coisa transcendente”, remata, testemunhando a forma como as comunidades recebem a Nossa Senhora.

Muitas mais pessoas que participaram de perto na organização de todas as iniciativas sentiram o impacto que tem a Nossa Senhora nos fiéis. “Foi interesse sentir a emoção, ver a fé nos olhos das pessoas. Essa foi uma marca na procissão de velas de ontem e na cerimónia de hoje”, revelou Luís Martins, chefe no Agrupamento de Mateus do Corpo Nacional de Escutas e um dos responsáveis por levar o andor da Nossa Senhora.

Do programa da visita da imagem à sede da Diocese constou ainda cerimónia de ordenação de um sacerdote e de um diácono, “um acontecimento importante” porque “a igreja precisa de padres”. “Temos poucos, cada vez menos, e precisamos de rezar para que haja mais padres, precisamos de apostar na pastoral das vocações entre os jovens”, explicou o bispo de Vila Real.

Ainda no domingo, a Imagem Peregrina partiu para Régua, de onde seguiu, na segunda-feira, para Mesão Frio. O concelho seguinte a ser visitado foi Santa Marta de Penaguião, onde a Nossa Senhora ficou até ontem, tendo partido, pelas 20h00, para Sabrosa.

Hoje, pelas 15h00, a Peregrina despede-se da Igreja Matriz de Sabrosa e vai até Alijó, seguindo amanhã para Valpaços e no sábado para Chaves, o último concelho da Diocese a ser visitado.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.