Quinta-feira, 7 de Julho de 2022

A objectividade da Fé cristã

A celebração do Natal de Jesus educa-nos para a objectividade da fé cristã, quer a objectividade histórica dos dados fundamentais da fé, quer a conjugação do amor a Deus e do amor ao próximo, disse o senhor Bispo na Sé, em dia da Natal.   O prelado celebrou a «Missa da meia-noite» e depois a […]

A celebração do Natal de Jesus educa-nos para a objectividade da fé cristã, quer a objectividade histórica dos dados fundamentais da fé, quer a conjugação do amor a Deus e do amor ao próximo, disse o senhor Bispo na Sé, em dia da Natal.

 

O prelado celebrou a «Missa da meia-noite» e depois a «Missa do dia de Natal». Na primeira, sublinhou as referências históricas do Nascimento de Jesus, citando nomes de personalidades históricas ligadas ao Natal de Jesus e os lugares geográficos desse Nascimento; na segunda, apoiando-se nos vitrais altos da nave central da Sé que citam as palavras do início do Evangelho de S. João (No princípio era o Verbo, e o Verbo era com Deus, e o Verbo era Deus), chamou a atenção para a origem divina e eterna de Jesus, constantes do Evangelho do dia.

O Natal todos os anos educa a nossa inteligência para a objectividade histórica da nossa fé, lembrando que Jesus Cristo não é uma fantasia, um mito, mas alguém datado na história e localizado no espaço. É conveniente meditarmos nestes aspectos porque, de vez em quando, surgem livros e filmes a repetir velhas insinuações contra a fé que arrastam pessoas distraídas. De qualquer modo, a intimidade com Jesus só se constrói com a oração pessoal, e não somente com a cultura. Por sua vez, a oração cristã tem de ir acompanhada de algum gesto de amor a pessoas concretas, conjugando o amor a Deus e o amor aos próximo, pois Jesus Cristo não quer ser amado à margem dos outros.

Na Missa da meia-noite, a Sé estava razoavelmente composta; na Missa do dia de Natal, quase cheia.

O coro da paróquia foi, como habitualmente, dirigido pelo P. António Paulo, do Seminário.

No final, foi dada a beijar aos fiéis a imagem de Jesus Menino, gesto acompanhado de cânticos tradicionais de origem popular.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.