Sexta-feira, 15 de Outubro de 2021
© DR

Atividades pastorais retomadas e focadas nos mais frágeis

O Conselho Pastoral da Diocese de Vila Real apresentou como principais desafios no retomar das atividades pastorais o acompanhamento às pessoas “com maior fragilidade” e a reaproximação a quem “não chegou à rede”.

-PUB-

A diocese de Vila Real revela que, neste momento, a “maior inquietação de todos (clero e leigos, famílias, jovens e adultos), é o acompanhamento às pessoas de situação de maior fragilidade, concretamente os idosos, os jovens, as famílias e os migrantes. A generalidade dos conselheiros manifestou esta preocupação que há de envolver todos”.

O Conselho Pastoral reconheceu que as atividades estão a ser “na generalidade” retomadas “aos poucos de modo presencial”, mas recomenda que não se abandone o online. “As atividades pastorais na generalidade vão sendo retomadas aos poucos de modo presencial, embora se reconheça que ainda não pode ser generalizada e plena a participação e abandonar a presença nas redes online. Para se concretizarem estes dinamismos será importante cuidar das redes humanas, até porque muitas pessoas, durante o tempo de pandemia, não chegaram à rede”, acrescenta o comunicado. Na mesma reunião foi apresentado o programa para o Centenário da Diocese, que vai viver um ano jubilar entre 8 de dezembro de 2021 e 8 de dezembro de 2022, com eventos a realizar na Sé de Vila Real bem como em diferentes espaços da diocese.

Os participantes no Conselho Pastoral definiram ainda “pormenores” sobre a preparação diocesana do próximo Sínodo dos Bispos sobre a Sinodalidade, que terá a sua abertura no próximo dia 17 na Sé, e tem encerramento marcado para o dia 19 de março.

O padre Márcio Martins foi o escolhido para ser o coordenador dos trabalhos para o Sínodo dos Bispos.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.