Terça-feira, 27 de Setembro de 2022

Bragança tem agora 4 núcleos de estudantes socialistas

Depois de quase cinco anos sem representantes nas escolas, a Juventude Socialista (JS) tem agora quatro núcleos de estudantes socialistas.

-PUB-

As eleições deveriam ter acontecido em fevereiro, mas, por causa da pandemia, aconteceram no fim de semana passado. Tito Resende, presidente da Federação Distrital da JS, disse, à VTM, que “nunca houve, no distrito de Bragança, a tradição de se ter núcleos de estudantes socialistas, foi havendo, pontualmente. Agora somos o terceiro distrito do país com mais núcleos. Só somos ultrapassados por Setúbal (10) e Lisboa (20)”.

Sobre o papel destes núcleos, Tito Resende explicou, à VTM, que “o objetivo é reivindicarem os direitos dos vários ciclos de ensino onde estão inseridos e desenvolverem atividades em conjunto com as concelhias, adaptadas ao ensino”.
No fundo, “estes núcleos funcionam como uma ponte entre os estudantes e a JS”, acrescenta.

O presidente da Federação Distrital adiantou que “este fim de semana vai decorrer o Encontro Nacional dos Estudantes Socialistas e, num dos seus plenários, irá participar a coordenadora do Agrupamento de Escolas de Alfândega da Fé, respondendo, de forma positiva, ao convite que lhe fiz”.

De entre os núcleos de estudantes, o de Miranda do Douro, coordenado, agora, por Dinis Ruano, foi reativado. Os restantes foram criados de raiz. Margarida Lamas é a coordenadora do núcleo do Agrupamento de Escolas de Alfândega da Fé, Dinis Garção está à frente do núcleo do Agrupamento de Escolas de Vila Flor e Débora Rodrigues, estudante do IPB, foi eleita para o núcleo de estudantes do ensino superior.

As próximas eleições acontecem em 2023.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.