Terça-feira, 18 de Janeiro de 2022
© Arquivo VTM

Carrazeda de Ansiães mantém aposta no regadio e área social

O regadio e a área social continuam a constar das prioridades do município de Carrazeda de Ansiães, no distrito de Bragança, que, para 2022, dispõe de um orçamento superior a 15 milhões de euros, valor este inferior ao de 2021

-PUB-

O orçamento foi aprovado com os votos da maioria social-democrata nos órgãos municipais, e os votos contra da oposição representada pelo movimento Unidos por Carrazeda, com um eleito no executivo municipal e cinco deputados na Assembleia Municipal.

A barragem, de nove milhões de euros, financiada por fundos comunitários e que será construída na zona da Veiga continua a ser uma das apostas do município que, além do regadio, destaca também os apoios sociais e a criação de habitação, nomeadamente através da estratégia financiada pelo programa nacional 1.º Direito.

Para a oposição, este é um orçamento “de continuidade” sem “uma estratégia de médio e longo prazo”, nomeadamente para inverter o despovoamento no concelho com cerca de cinco mil habitantes, como considerou Ricardo Samorrinha, eleito do movimento Unidos por Carrazeda.

O presidente social-democrata, João Gonçalves, encara as críticas e o voto contra da oposição como “apenas uma posição política”, e considera que os adversários políticos “ou estão desatentos ou a enviesar o sentido do orçamento municipal”.
Neste novo ano, o município de Carrazeda de Ansiães mantém as mesmas medidas em relação ao Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) e devolução do Imposto sobre o Rendimento Singular (IRS) aos contribuintes.

Carrazeda de Ansiães é um dos poucos concelhos do distrito de Bragança que, há vários anos, cobra a taxa mínima de IMI e devolve aos contribuintes a totalidade dos cinco por cento a que tem direito do IRS cobrado no município.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.