Quinta-feira, 20 de Janeiro de 2022
©MF

Casal de cegonhas teve de mudar de “lar” para abate de palmeira doente

Por questões de segurança, a Câmara de Vila Real fez hoje a transferência do ninho de cegonha, localizado ao lado do Jardim da Carreira, para uma estrutura metálica a poucos metros da palmeira doente.

-PUB-

O casal de cegonhas foi identificado há cerca de três anos e foi acolhido com “muito carinho” pela população vila-realense. No entanto, a palmeira foi afetada por um parasita que a secou e estava em risco de ruir.

O vereador do ambiente na câmara, Carlos Silva, explicou que o ninho “foi transferido para um poste metálico porque a palmeira estava mesmo em risco de queda e a colocar em causa a segurança das pessoas”.

O mesmo responsável revelou que este “é o único ninho de cegonha identificado em Vila Real e o município “está a fazer tudo para que o ninho se mantenha, mas que se mantenha, agora, num local com mais segurança e estabilidade”.

Para isso, a autarquia colocou uma estrutura metálica para “tentarmos que a partir do terceiro ano o casal de cegonhas tenha uma estabilidade maior e possa perpetuar a presença desta espécie aqui neste espaço central da cidade”.

Acrescentou ainda que “não era possível manter o ninho naquele local, porque a árvore estava mesmo a cair. É um tronco com alguma dimensão e tínhamos mesmo que a cortar”.

A operação, que “não foi fácil”, contou com o apoio técnico da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD).

João Cabral, do Laboratório de Ecologia Aplicada (LEA) da UTAD, explicou que o objetivo foi “recriar condições para que o casal de cegonhas consiga reconhecer o outro local como uma alternativa”, uma estrutura metálica alta que recebeu o material que lhe é familiar retirado do ninho original. “Estamos a criar condições para que as cegonhas consigam reconhecer o novo local. Seria mais fácil, se fossem muitas cegonhas, mas como são só duas, há muitos locais que podem escolher”.

O investigador refere que a operação será “bem-sucedida” se as cegonhas usarem a estrutura metálica como pouso já esta noite. No entanto, “não podemos ficar tristes se isso não acontecer na primeira noite, mas estou convencido que venham a usar o novo ninho”.

A cegonha branca chegou a ser uma espécie ameaçada na década de 80, do século XX.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.