Sexta-feira, 30 de Setembro de 2022

Chamas ameaçaram várias aldeias

Presidente da autarquia pondera pedir o “estado de calamidade”, no entanto, ainda irá fazer uma avaliação dos prejuízos. A ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa, esteve ontem reunida com o executivo autárquico para definir apoios à população afetada, sobretudo aos agricultores, que têm sentido muitas dificuldades para alimentar os animais

-PUB-

Vilarinho da Samardã, Escariz, Paredes, Benagouro, Covelo, Fortunho, São Tomé do Castelo, Vila Meã e Sanguinhedo foram algumas das aldeias ameaçadas pelo fogo que teve início por volta das 7h00 de domingo na zona da antiga casa florestal de Samardã.
Quando se iniciou o incêndio, poucos acreditaram que iria tomar as proporções que se vieram a verificar, com as chamas a galgar quilómetros de extensão tocadas pelo vento forte, que se intensificou da parte da tarde.

Artigo exclusivo PREMIUM

Tenha acesso ilimitado a todos os conteúdos do site e à edição semanal em formato digital.

Se já é PREMIUM,
Aceda à sua conta em

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.