Quinta-feira, 20 de Janeiro de 2022
©EN

Ciência com “tarefa difícil” durante a pandemia

Paula Silva é professora na Universidade do Porto onde lecionada, entre outras, a unidade curricular de Comunicação de Ciência.

-PUB-

E foi precisamente de ciência, e do papel da comunicação nesta área, que falou naquela que foi a terceira sessão do ciclo de conferências “5X Ciência às 5”, que decorreu no Espaço Miguel Torga.

Para a docente, a pandemia afetou “imenso” o trabalho da ciência, não só porque “foi necessário continuar a fazer ciência numa altura conturbada e tentar dar respostas rápidas àquilo que era pedido”, mas também porque “era necessário contrariar as fake news, para as pessoas não entrarem em pânico”.

“Foi uma tarefa difícil e que nos fez pensar que não é só em altura de pandemia que devemos comunicar com o cidadão comum”, frisou.

Deu, à sua intervenção, o título de “Comunicar ciência: a inspiração começa aqui” por acreditar ser necessário “começar bem cedo a fazer uma lavagem cerebral no sentido de estimular os nossos jovens a terem mais gosto pela ciência, pela sua comunicação e terem a perceção do quão importante isso é”, explica, acrescentando que “esse é um trabalho que começa nas escolas, com os professores a terem um papel fundamental”.

O ciclo de conferências “5X Ciências às 5” é organizado pelo departamento de Ciências Experimentais do Agrupamento de Escolas Morgado de Mateus (Vila Real) e, segundo Luísa Sousa, a iniciativa “surgiu da necessidade de termos formação. Queríamos uma formação que fosse ao encontro das nossas necessidades e interesses”.

As sessões começaram por ser creditadas, mas hoje já não são e “este ano têm moldes novos, na medida em que tentamos trazer aqui investigadores e cientistas de renome internacional”, como é o caso de Elvira Fortunato que marcou presença na segunda palestra.

Cinco palestras, às cinco da tarde de quarta-feira, deram o mote para o nome do projeto, “5X Ciência às 5”. Desta vez a plateia era composta só por professores, “mas já tivemos a presença de alunos”, indica Luísa Sousa, acrescentando que “a entrada é livre, por isso, pode vir quem quiser”.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.