Sábado, 4 de Fevereiro de 2023
No menu items!
0,00 EUR

Nenhum produto no carrinho.

Comemorações do Dia de Portugal vão realizar-se na Régua

Segundo o autarca de Peso da Régua trata-se do reconhecimento ao Douro

-PUB-

As celebrações nacionais do Dia de Portugal este ano, no Peso da Régua, representam um reconhecimento que é feito aos produtores de vinho e ao Douro por parte do Presidente da República, disse hoje o presidente da Câmara.

“É com enorme satisfação que verificamos este reconhecimento do senhor Presidente da Republica. É um reconhecimento que ele, acima de tudo, faz aos produtores da região e a todos aqueles que, ao longo dos anos, construíram e mantêm esta região que é Património Mundial da Humanidade ”, afirmou à agência Lusa José Manuel Gonçalves.

As comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas decorrerão este ano no Peso da Régua e na África do Sul, anunciou hoje a Presidência da República, que designou o enólogo João Nicolau de Almeida como presidente da comissão organizadora.

“A cidade do Peso da Régua foi a promotora desta iniciativa de âmbito regional, que integra os 19 municípios da Comunidade Intermunicipal (CIM) Douro, que preveem numerosas iniciativas de promoção da região ao longo do ano”, de acordo com o comunicado divulgado na página oficial da Presidência da República.

O presidente da Câmara da Régua considera que se trata também de uma distinção ao Douro e ao vinho, um produto estratégico para a economia da região e do país.

“mais um momento importante que irá catapultar a afirmação da região pelo mundo inteiro”.

“Só temos a agradecer ao senhor Presidente da República”, salientou José Manuel Gonçalves, considerando que o chefe de Estado este ano escolheu o “tema do vinho” para as comemorações do 10 de Junho.

Este será, na sua opinião, “mais um momento importante que irá catapultar a afirmação da região pelo mundo inteiro”.

O Presidente da República resolveu designar o Peso da Régua como sede, no ano de 2023, das Comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, estendendo-se as celebrações às comunidades portuguesas na África do Sul.

O comunicado salienta que “para a organização das comemorações é constituída uma Comissão presidida por João Nicolau de Almeida, um dos grandes enólogos do Douro, e que integra ainda o Chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas, a Secretária-Geral da Presidência da República e o Chefe do Protocolo do Estado”.

A candidatura do Douro à Cidade Europeia do Vinho tem como tema “All Around Wine, All Around Douro” e o objetivo de “abrir o Douro ao mundo”.

 

PROGRAMA

O programa da Cidade Europeia do Vinho arranca com o I Encontro Intermunicipal de Cantadores de Janeiras no dia 29 de janeiro, em Carrazeda de Ansiães, e, até ao final do ano, estão previstas várias iniciativas ligadas ao vinho e à volta do vinho nos 19 municípios do Douro, no resto do país e em várias capitais europeias.

A CIM Douro compreende concelhos de quatro distritos, designadamente Alijó, Armamar, Carrazeda de Ansiães, Freixo de Espada à Cinta, Lamego, Mesão Frio, Moimenta da Beira, Murça, Penedono, Peso da Régua, Sabrosa, Santa Marta de Penaguião, São João da Pesqueira, Sernancelhe, Tabuaço, Tarouca, Torre de Moncorvo, Vila Nova de Foz Coa e Vila Real.

A Cidade Europeia do Vinho é um concurso anual lançado pela Rede Europeia das Cidades do Vinho (RECEVIN), em 2012, e tem como objetivo a promoção turística e a divulgação das regiões europeias produtoras de vinho, tendo um caráter rotativo entre os diversos países que fazem parte da rede.

Aranda de Duero (Espanha) foi a Cidade Europeia do Vinho 2020, mas devido à situação de pandemia de covid-19, este título foi alargado até 2022.

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.