Quarta-feira, 4 de Agosto de 2021
© DR

Conselho de Presbíteros refletiu sobre o Ano da Família

A 92ª Assembleia do Conselho de Presbíteros da Diocese de Vila Real decorreu por via digital e teve como ponto central de agenda a reflexão acerca do Ano da Família – Amoris Laetitia, no quinto aniversário da publicação desta exortação pós-sinodal.

-PUB-

A 92ª Assembleia do Conselho de Presbíteros da Diocese de Vila Real decorreu por via digital e teve como ponto central de agenda a reflexão acerca do Ano da Família – Amoris Laetitia, no quinto aniversário da publicação desta exortação pós-sinodal.

Na introdução aos trabalhos, o bispo, D. António Augusto Azevedo, referindo-se à exortação Amoris Laetitia, destacou alguns dos objetivos deste ano dedicado a família, como a maior difusão do conteúdo da exortação, a promoção e valorização do sacramento do matrimónio, tornar as famílias mais protagonistas da pastoral familiar, e que a pastoral familiar seja mais transversal a todos os elementos de uma família.

Os conselheiros fizeram um diagnóstico se o documento já era devidamente conhecido e posto em prática. Refletiu-se também acerca da questão da preparação e acompanhamentos dos casais que vão contrair matrimónio e se depois são devidamente acompanhados nos primeiros anos de casamento. Houve também questões levantadas de como se acompanham e acolhem as questões mais irregulares e se há um caminho pastoral feito com eles à luz do método proposto pela Amoris Laetitia de acolher, discernir e integrar.

Também se abordaram questões referentes ao próximo ano pastoral que será de celebração do Centenário da Diocese, onde os conselheiros foram desafiados a deixar também os seus contributos para uma boa celebração desta efeméride.

O bispo terminou o encontro com um agradecimento aos conselheiros presentes, relembrando que a próxima assembleia será no dia 6 de outubro.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO.
APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.