Segunda-feira, 4 de Julho de 2022

Crise do Douro debatida nas missas dominicais

No domingo passado, alguns párocos dos concelhos de Santa Marta de Penaguião, Mesão Frio e Régua aludiram, nas suas missas, a grave crise que afecta o sector vitivinícola duriense e que abrange milhares de lavradores. Viram-se algumas lágrimas nos olhos de alguns lavradores, quando o Padre António Luís, na sua homilia, proferida em S. João […]

No domingo passado, alguns párocos dos concelhos de Santa Marta de Penaguião, Mesão Frio e Régua aludiram, nas suas missas, a grave crise que afecta o sector vitivinícola duriense e que abrange milhares de lavradores. Viram-se algumas lágrimas nos olhos de alguns lavradores, quando o Padre António Luís, na sua homilia, proferida em S. João de Lobrigos, fez alusão aos tempos de crise que afectam o sector vitivinícola do Douro.

Ontem, com missa marcada para as 11.30 horas, o templo religioso encheu-se de fiéis e de viticultores que esperam que a Igreja “deite uma mão, para que a miséria não se instale em muitas familias, no concelho de Santa Marta de Penaguião” – conforme nos disse José Costa, agricultor local.

“Tempos de inquietação e preocupação” assim definiu o padre António Luís, o momento presente. Os preços do vinhos que “enriquecem alguns e não a maioria que trabalha na vinha”, “a divisão das instituições”, “as medidas legislativas, relativas ao plantio da vinha, e que só engordam alguns”, “o turismo que passa e não deixa nada” e “o envelhecimento e o empobrecimento da população” foram os tópicos de uma oratória que apelou “ao consenso, à união das associações do sector, Casa do Douro e Adegas Cooperativas, à sensibilização do poder público”, para que “ os lavradores tenham esperança em dias melhores”.

“Não tenhamos medo, o Douro teve sempre crises e não devemos cruzar os braços. O Senhor não nos vai deixar desamparados. Não o devemos esquecer, nem os poderes instituídos, às muitas das igrejas que existem na região foram construídas nos tempos em que foi criada a Região Demarcada do Douro” – disse, ainda, o padre António Luís.

Entre os presentes na missa estava o Presidente da Câmara Municipal de Santa Marta de Penaguião, Francisco Ribeiro, também ele apreensivo, quanto ao futuro. O facto do seu concelho ser aquele que, em densidade, por hectare, (a Adega Cooperativa local, em termos de negócios, é a maior da Região Demarcada) é aquele que mais lavradores tem, na Região Demarcada do Douro, preocupa-o.

“Se tudo continuar assim, dentro de 2 ou 3 anos, a ruína atingirá grande parte das famílias do concelho e a desertificação vai instalar-se!”, para acrescentar: “A evolução dos mercados, as novas políticas e algumas gestões pouco conseguidas, nos últimos anos, na Casa do Douro, contribuem para esta crise e para que o viticultor se sinta desprotegido”.

Segundo o Padre António Luís, “os párocos dos concelhos de Mesão Frio, Régua e Santa Marta de Penaguião já estabeleceram contactos, com algumas entidades, prática que vai continuar” – assegurou.

Na Régua, o Padre Luís Marçal salientou, entre outras coisas, que “só uma união, entre a Casa do Douro, Adegas Cooperativas e o poder público podem evitar a crise que afecta os muitos lavradores”.

Em relação à Casa do Douro e às alterações institucionais (redução de poderes e de intervenção, no mercado) que sofreu, Luís Marçal foi incisivo e afirmou que colocaram, sobre a CD, “um autêntico garrote”.

“Nós não estamos a exorbitar, nem a sair do nosso lugar. Estamos no sítio certo. Não podemos deixar de ser sensíveis aos problemas humanos”. Esta foi a reacção a algumas críticas, surgidas sobre a tomada de posição dos párocos dos três concelhos.

“Paz no Douro, aos homens por Deus amado” – disse, ainda, concluindo um discurso todo ele solidário, humano e objectivo, mas, também, interventivo.

 

jmcardoso

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.