Segunda-feira, 4 de Julho de 2022

Cruz Branca à espera de novo quartel

É um velho anseio que a Associação Humanitária da Cruz Branca possui e que passa por um novo quartel. No entanto, as últimas posições manifestadas pelo governo, sobre esta matéria, estão a adiar a materialização deste desejo.

A nova legislação, prometida pelo Governo, em relação a esta matéria, está a ser aguardada com muita expectativa, pois ela permitirá desbloquear alguns casos, cujas corporações esperam (e desesperam) para possuírem novas instalações. Para o Comandante da Cruz Branca de Vila Real, Álvaro Ribeiro, “temos um velho quartel, mal dimensionado. Daí que necessitemos, rapidamente, de outros espaços, para que a nossa actividade seja exercida da melhor forma possível”. Segundo este responsável, é premente encontrar áreas específicas para o pessoal e um parque de viaturas. Ou seja, um conjunto de espaços que não temos”.

Este responsável frisou, ainda, uma outra necessidade: “Precisamos, também, de um local de parada, para que o pessoal de serviço possa estar em permanência, em instrução, em formação e treino” – sublinhou, para acrescentar: “Há um anteprojecto, há um terreno, pensamos que irá sair legislação que vem regulamentar a questão das construções, espero que seja a todo o momento. Será um passo que precisamos de dar em frente, para o melhoramento das nossas instalações”.

Todavia, o Comandante da Cruz Branca manifestou algum pessimismo: “Com as posições tornadas públicas, pelo Governo, relativamente aos financiamentos, a situação pode arrastar-se, ainda durante algum tempo”.

De referir que o futuro quartel está previsto para um espaço situado na zona das Flores, num local privilegiado, em termos de acesso rodoviário, por ficar junto ao IP4 (Amarante-Bragança) e à EN 2 (Vila Real-Chaves).

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.