Quinta-feira, 5 de Agosto de 2021

Dayana — a princesa que espera por um final feliz

-PUB-

Dayana nasceu em março de 2020 e desde cedo a mãe percebeu que algo não estava bem.

“Ela estava amarela, diziam que era icterícia”, conta Nadjma, acrescentando que “depois veio a saber-se que eram problemas no fígado. Como ela tem nacionalidade portuguesa, aconselharam-nos a vir a Portugal por ser mais fácil ter acesso a tratamentos”.

E assim foi. Em outubro, Nadjma Silva chegou a Portugal acompanhada dos dois filhos, Dayana, na altura com sete meses, e Danyal, de sete anos. Para trás, ficou o marido, por  motivos profissionais. Foram acolhidos por Maria da Conceição, cunhada de Nadjma, e uma estadia que se previa curta, acabou por se prolongar “por indicação médica”.

“Ela quando vai ao hospital, nunca sabe se volta ou se a menina tem de ficar internada”, conta Maria da Conceição, explicando que “a minha cunhada veio para uma consulta e disseram-lhe que podia dizer adeus a Moçambique nos próximos tempos. Foi-lhe dito que menina precisa de um transplante e, por isso, não podem voltar”.

O transplante é necessário porque “o fígado dela está estragado. As vias biliares não funcionam bem, estão obstruídas e vai formando pequenos quistos. Ela quando fica internada é porque tem muito líquido e é preciso controlar. Quando isso acontece, a barriga dela cresce”, refere.

A pequena Dayana está em lista de espera para um transplante. “Há aqui várias coisas a ter em conta. A mãe, por ter de estar constantemente com a bebé, está fora de questão ser a dadora”, afirma Maria da Conceição, acrescentando que “os médicos preferem que o fígado venha de um dador morto, para não se correr o risco de, ao tentar salvar uma vida, se perderem duas, tendo em conta as complicações que podem surgir”.

COMO AJUDAR?

Com a vida toda em Moçambique, Nadjma e os filhos contam, apenas, com o apoio da família. Vivem todos na Cumieira, em Santa Marta de Penaguião e, segundo Maria da Conceição, “tivemos de nos adaptar à situação”.

“A casa é pequena. O quarto do meu filho ficou para a Nadjma e para o Danyal, dormem numa cama de solteiro. A bebé fica no meu quarto, onde colocámos um berço. O meu filho dorme comigo, mas quando o meu marido, que trabalha no Porto, vem ao fim de semana, o meu filho tem de dormir na sala”, explica.

Ainda assim, “arranjar-lhes uma casa, fora daqui, está fora de questão”, isto porque “quando a minha cunhada vai para o hospital com a menina, o Danyal fica connosco. Se forem para Santa Marta, por exemplo, não posso dar-lhes o apoio que dou agora”.

Acontece que “temos um quarto, num anexo da casa, onde eles podiam ficar, mas não tem casa de banho”. A VTM visitou a divisão em causa, um espaço acolhedor e que daria, também, alguma privacidade a esta mãe. Falta, realmente, a casa de banho. “Começámos a fazer, como veem temos a porta, mas dentro não temos nada. Disseram-nos que com dois mil euros conseguimos ter uma casa de banho boa e pronta a utilizar”, conta Maria da Conceição.

“Quem nos quiser ajudar, seja com dinheiro, seja com material, ficaríamos muito agradecidos”, confessa.

Mas é possível ajudar com mais coisas. A pequena Dayana é alimentada através de uma sonda. “Faz quatro biberons por noite. Durante o dia já começa a comer sopa, papa e iogurte”, explica a mãe, referindo que “o leite é muito importante, mas as latas são caras”.

Quem tem ajudado esta família nesse sentido é a Cáritas Diocesana de Vila Real. “O leite é especial e gastamos duas latas por semana, cada uma custa à volta de 30 euros”, indica a tia da bebé, salientando que “além disso, a Dayana toma um suplemento em que cada lata custa cerca de 70 euros. A isto somam-se as despesas de deslocação ao hospital de Coimbra”.

Com uma vida estável em Moçambique, Nadjma vê-se agora obrigada a sobreviver da boa vontade da sua família, que, apesar das dificuldades, “queremos o melhor para eles e para a Dayana, claro”.

O futuro da pequena Dayana é incerto, mas enquanto o transplante não chega, fica a vontade de lhe proporcionarem uma vida, dentro dos possíveis, com qualidade. O objetivo é que esta princesa tenha um final feliz.

Para ajudar:
Cáritas Diocesana de Vila Real — 259 372 020
IBAN: PT50 0035 0720 0001 2079 0306 9 (Caixa Geral de Depósitos) – Nadjma Silva
-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO.
APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.