Segunda-feira, 15 de Agosto de 2022

Deputados municipais preocupados com impasse na exploração de ouro em Jales

Os deputados municipais de Vila Pouca de Aguiar aprovaram por unanimidade uma moção sobre a exploração mineira de Jales, onde mostram o seu “descontentamento e preocupação” pela situação de impasse da exploração do ouro em Jales e investimento “residual” que foi realizado.

-PUB-

Dois anos e meio depois do anunciado regresso ao ouro nas minas de Jales, o projeto está praticamente parado. Os deputados querem esclarecimentos do Estado e soluções para fazer cumprir o acordo por parte do consórcio que ganhou a concessão mineira (Almada Mining SA e EDM – Empresa de Desenvolvimento Mineira, SA). “Foram criadas expetativas em torno do investimento e da inerente criação de postos de trabalho, que têm sido defraudadas”, referem os deputados na moção aprovada na última assembleia municipal.

A empresa mineira canadiana Petaquilla, que através da sua participada Almada Mining integra o consórcio que ganhou o concurso para a reabertura de Jales em junho de 2012, atravessa problemas financeiros que estão a interferir com o ritmo dos trabalhos.

Por outro lado, a quebra da cotação do ouro ao longo dos últimos dois anos também acabou por afetar o plano de investimentos previamente estabelecido entre o Estado português e o consórcio que ganhou a concessão mineira de Jales.

Nas minas de Tresminas, no Planalto de Jales, chegaram a trabalhar 800 trabalhadores no pico das explorações, e eram extraídos 30 quilos de ouro por mês, cerca de um quilo por dia. Terão sido ainda das mais importantes do Império Romano e eram geridas diretamente pela guarda do Imperador. O auge da exploração de ouro terá ocorrido durante os séculos I e II. Depois, também os portugueses exploraram o filão do ouro em Campo de Jales até meados dos anos 90, altura em que encerram.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.