Segunda-feira, 4 de Julho de 2022

Dezassete casas de emigrantes foram assaltadas

Uma vaga de furtos a habitações de emigrantes tem assolado alguns concelhos da zona do Baixo Tâmega. Na semana passada, dezassete casas foram passadas, “a pente fino”, pelos larápios. Cinco na aldeia de Paradança (Mondim de Basto), seis em Seirós (Ribeira de Pena) e seis em Gondiães (Cabeceiras de Basto). Do seu interior, desapareceram algumas […]

Uma vaga de furtos a habitações de emigrantes tem assolado alguns concelhos da zona do Baixo Tâmega. Na semana passada, dezassete casas foram passadas, “a pente fino”, pelos larápios. Cinco na aldeia de Paradança (Mondim de Basto), seis em Seirós (Ribeira de Pena) e seis em Gondiães (Cabeceiras de Basto). Do seu interior, desapareceram algumas peças de arte, joalharia, artigos em ouro, televisores, DVD e muitas peças de ferramentas, nomeadamente, berbequins, martelos pneumáticos, uma caçadeira e, até, dois bidões, com vinte litros de gasóleo.

A GNR suspeita que o objectivo destes assaltos fosse só artigos em ouro ou dinheiro, já que, nas habitações de Paradança, algumas casas tinham equipamentos audiovisuais que não foram levados.

Em Seirós, a sede do Conselho Directivo de Baldios também recebeu a visita dos larápios. Adriano Martins, dirigente desta agremiação, contou que “ do interior da sede, furtaram uma motosserra e um corta-sebes, novos”, tudo isto “no valor de mais de mil e cem euros”. Segundo ele, “ainda levaram um bidão de gasolina e abasteceram-se de gasóleo”.

Apurámos que, durante a noite, foram vistos dois carros estranhos, a circular na aldeia. O “modus operandi” passou, em todos os casos, pelo arrombamento das portas e danificação de fechaduras.

Também seis casas foram assaltadas, em Gondiães, Cabeceiras de Basto, aldeia situada próximo do rio Tâmega. Suspeita-se que os seus autores sejam os mesmos dos assaltos perpetrados a residências de emigrantes, em Paradança e Seirós.

Entretanto, o NIC da GNR de Guimarães recuperou, na Segunda-feira, numa residência, em Fafe, quatro motosserras e quatro berbequins eléctricos, material este que tinha sido furtado em habitações de emigrantes de Cabeceiras de Basto e Ribeira de Pena. O valor ronda os 3500 euros.

Este material estava na posse de um homem ligado já a furtos e à recepção de material roubado.

As investigações continuam, dado que, de algumas casas, desapareceram ainda artigos de ourivesaria, peças de joalharia e ferramentas para a construção civil que ainda não apareceram.

A escolha de casas de emigrantes, todas situadas em lugares isolados, leva a pensar que os larápios, antes dos furtos, tenham feito, possivelmente, o reconhecimento do local.

O NIC da GNR de Vila Real está a proceder a investigações.

 

Jmcardoso

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.