Segunda-feira, 4 de Julho de 2022

“Dia da Memória” não ficou em branco

Mais uma vez, as vítimas das estradas portuguesas foram lembradas, em Vila Real, onde o Dia da Memória ficou marcado pela inauguração da exposição de fotojornalismo de acidentes, no Itinerário Principal número quatro, o lançamento de um livro e, finalmente, com o lançamento de balões, por várias crianças.   “Hoje não é um dia para […]

Mais uma vez, as vítimas das estradas portuguesas foram lembradas, em Vila Real, onde o Dia da Memória ficou marcado pela inauguração da exposição de fotojornalismo de acidentes, no Itinerário Principal número quatro, o lançamento de um livro e, finalmente, com o lançamento de balões, por várias crianças.

 

“Hoje não é um dia para falarmos de política, de números, mas, sim, de homenagear os que perderam a vida, na estrada, e apoiar os seus familiares”, sublinhou Ascenso Simões, Secretário de Estado da Administração Interna, que, no dia 19, marcou presença na cerimónia do Dia da Memória das Vítimas da Estrada.

Ascenso Simões deixou a garantia de que “a consolidação da diminuição da sinistralidade tem que ser uma prioridade”, sendo necessário “apostar tudo, na prevenção e segurança”.

Apesar de corroborar com o representante do Governo, realçando que “este não é tanto um dia para nos mostrarmos preocupados com a situação e, logo de seguida, avançarmos com números que nos ajudam a esquecer esses dramas e injustiças e impunidade a eles associadas”, Luís Bastos, Presidente da Associação de Utilizadores do Itinerário Principal número quatro (AUIP4) sublinhou a importância das intervenções feitas naquela via que liga Amarante a Bragança e os resultados positivos que tiveram, no que diz respeito à redução do número de acidentes e vítimas mortais. “Em 2000, entregámos, ao Governo, uma petição, reclamando a adopção de 17 medidas. Dessas, foram implementadas 15 e uma está a ser adoptada”, faltando, apenas, a introdução de separadores centrais fixos”, explicou o responsável, adiantando que a via é já considerada um exemplo de “investimento realizado que foi muito largamente suplantado, pela ausência dos custos associados à sinistralidade rodoviária”.

Durante a cerimónia, Nazaré Pereira, Vice-Presidente da Câmara Municipal de Vila Real, sublinhou a importância da formação dos jovens, realçando o papel da Escola Fixa de Trânsito (onde decorreram as actividades relacionada com o Dia da Memória). “Neste local, milhares de crianças já se prepararam, para serem futuros condutores conscientes e disciplinados”, sublinhou o edil, realçando a importância da formação dos cidadãos, desde a infância.

Organizado, mais uma vez, pela associação “Estrada Viva/Liga contra o Trauma, o Dia da Memória foi, também, assinalado em Évora e Lisboa. Em Vila Real, o programa contou com a inauguração de uma exposição de fotografias, a apresentação de um livro (“Memoriais de Beira de Estrada”), o lançamento de balões, por mais de duas dezenas de crianças, e, ainda, pela presença de um simulador de capotagem que serve para ensinar o público, em geral, sobre a forma de sair, em segurança, de um veículo capotado.

 

Maria Meireles

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.