Segunda-feira, 4 de Julho de 2022

Douro transborda e põe populações em alvoroço

“Foram águas de Espanha”, esta foi a razão apontada pelo Comandante interino dos Bombeiros Voluntários de Peso da Régua, Guilhermino Pereira, para a inundação que atingiu os cais da Junqueira e Turístico da cidade, durante a noite de quinta-feira. Os momentos de maior preocupação viveram-se, por volta das 2 horas, quando a subida inesperada das […]

“Foram águas de Espanha”, esta foi a razão apontada pelo Comandante interino dos Bombeiros Voluntários de Peso da Régua, Guilhermino Pereira, para a inundação que atingiu os cais da Junqueira e Turístico da cidade, durante a noite de quinta-feira. Os momentos de maior preocupação viveram-se, por volta das 2 horas, quando a subida inesperada das águas fez com que uma loja de artesanato, um café-bar e o acesso à marginal rodoviária, no cais da Régua, fossem alagados, tendo-se registado alguns prejuízos. Os Bombeiros de Peso da Régua, tiveram de rebocar três viaturas que iam ser submergidas. No Cais da Junqueira, um armazém de apoio a actividades náuticas e a zona de lazer foram, igualmente, afectadas. No local, compareceu o Governador Civil de Vila Real, António Martinho, com elementos da Câmara Municipal de Peso da Régua.

Segundo Guilhermino Pereira, “os meus homens estiveram sempre a acompanhar a evolução da situação no terreno e prontos para actuar, caso a situação agudizasse”. Segundo este responsável, não foi a chuva caída na região que deu origem à inundação registada, mas, sim, águas de Espanha”. Porém, fez questão de salientar a falta de informação e as dificuldades que teve, para apurar o volume de caudais da Barragem de Bagaúste.

“Por várias vezes, tentei contactar o Centro de Produção Hidráulica da EDP de Bagaúste e não consegui reunir a informação necessária, para adequar a nossa acção, eventualmente, numa situação de cheia de maiores dimensões”.

As águas do Douro inundaram, durante a noite, também, a marginal do Pinhão. Aqui, alguns proprietários de bares existentes no local, como prevenção, retiraram a tempo os seus haveres.

“Não houve prejuízos de monta, embora toda a noite tivéssemos estado, sempre, em alerta” – disse o Presidente da Junta de Freguesia do Pinhão, Pedro Perry.

Na ajuda às populações, estiveram envolvidos os Bombeiros locais, sendo a situação acompanhada pela Câmara Municipal de Alijó.

Ao fim da tarde do mesmo dia, o rio começou a baixar de caudal, na Régua e no Pinhão.

 

Jmcardoso

 

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.