Sábado, 2 de Julho de 2022

“Feira dos Farrapos” mais perto do adeus a Nossa Senhora da Conceição

Depois de quase duas décadas a servir como ponto comercial para a população vila-realense, a área da “Feira dos Farrapos” está prestes a ser libertada das barracas e dos pregões dos feirantes que, às terças e sextas-feiras, “animam” o coração da freguesia da Nossa Senhora da Conceição, para se transformar num espaço verde de lazer, […]

Depois de quase duas décadas a servir como ponto comercial para a população vila-realense, a área da “Feira dos Farrapos” está prestes a ser libertada das barracas e dos pregões dos feirantes que, às terças e sextas-feiras, “animam” o coração da freguesia da Nossa Senhora da Conceição, para se transformar num espaço verde de lazer, há muito prometido pela autarquia.

Embora a autarquia vila-realense ainda não avance com datas ou valores, a última edição da revista da Câmara Municipal já traz as imagens do projecto do futuro Parque Urbano da Nossa Senhora da Conceição, uma obra que vai nascer nos 6.700 metros quadrados de área que, há vários anos, recebe a “Feira dos Farrapos” que, por sua vez, também não tem data marcada para mudar de morada.

Segundo a notícia, avançada pela autarquia, através da revista de Fevereiro, “face às novas exigências da cidade que impõem uma urgente e necessária requalificação desta zona, foram sendo equacionadas ao longo do tempo, diversas propostas de requalificação, com o objectivo de conferir uma nova dinâmica ao local”.

“O novo recinto disponibilizará um conjunto de equipamentos associados ao lazer e ocupação dos tempos livres, destinado a jovens e, no âmbito da intervenção, está prevista a criação de uma zona verde, em ambiente de Parque Florestal”, adianta a publicação, referindo, mesmo, a construção de uma infra-estrutura com diversos espaços, destinados à actividade lúdica com crianças, serviço de bar, instalações sanitárias, inclusive para pessoas com mobilidade reduzida, e, ainda aplicação de diversos equipamentos urbanos”.

Apesar de não avançar com datas ou orçamento, a notícia avança, apenas, que o projecto será posto a concurso, “brevemente”.

A autarquia de Vila Real não se mostrou disponível para esclarecer, ao Nosso Jornal, o ponto da situação, relativamente às obras de construção do novo espaço da feira ambulante semanal que deverá transferir-se para a freguesia de Lordelo.

Recordamos as informações veiculadas pela autarquia, em 2004, que apontavam para o início da obra do futuro espaço comercial, para o fim daquele ano. Nessa altura, a autarquia avançou com as características do projecto da nova feira que se situará na rotunda do Hospital, na freguesia de Lordelo. Com 12 mil metros quadrados, a nova área terá dois corredores, para a instalação dos feirantes, devidamente alcatroados e constituído por bancas organizadas em módulos e que, “em princípio”, serão todos cobertos.

O espaço terá, ainda, um café, uma esplanada, um parque infantil e uma zona relvada, para além das casas de banho, tudo isso para que seja possível que a nova zona comercial tenha algum movimento, mesmo nos dias em que não haja feira.

Para além de melhorar as condições para o comércio, a autarquia pretende que o novo recinto propicie um maior controlo e fiscalização dos feirantes de Vila Real que, para acederem ao recinto, terão de apresentar um cartão.

De recordar que, apesar dos moradores daquela zona da Nossa Senhora da Conceição se mostrarem satisfeitos com a transformação da feira num espaço do lazer, a grande maioria dos comerciantes, mesmo os seus clientes, não vê com bons olhos a mudança, já que, como alegam, a feira ficará situada muito longe do centro da cidade.

 

Maria Meireles

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.