Terça-feira, 6 de Dezembro de 2022
No menu items!
0,00 EUR

Nenhum produto no carrinho.

Feirantes “armam barraca”, por causa da nova localização dos “stands”

Parque com obras Feirantes “armam barraca”, por causa da má localização O descontentamento dos feirantes de etnia cigana, face à nova localização dos “stands”, aqueceu os ânimos, no local da feira semanal que teve de receber um reforço policial. Apesar do frio e da chuva, o ambiente está quente, junto à zona da feira de […]

PUB

Parque com obras

Feirantes “armam barraca”, por causa da má localização

O descontentamento dos feirantes de etnia cigana, face à nova localização dos “stands”, aqueceu os ânimos, no local da feira semanal que teve de receber um reforço policial.

Apesar do frio e da chuva, o ambiente está quente, junto à zona da feira de Chaves, após a nova distribuição dos “stands” que deixou alguns feirantes de “cabelos em pé”, por causa dos lugares que obtiveram. A deslocalização, feita pela autarquia flaviense, deve-se às obras de requalificação que avançam, no Forte de S. Neutel e na zona envolvente.

A nova distribuição da feira semanal, que se realiza às quartas-feiras, tem recebido protestos, mormente dos feirantes de etnia cigana que se queixaram de, com o novo desenho da área comercial, terem ficado “«escondidos”», pelo que se manifestaram, com veemência.

Na passada quarta-feira, as reclamações foram subindo de tom, ao ponto de um dos feirantes se ter sentido mal, tendo, ao que tudo indica, recebido tratamento hospitalar. Com a presença da polícia, no local, e com a decisão da edilidade em deixar os referidos feirantes mais perto do mercado, os ânimos serenaram, naquele dia.

No entanto, existe o receio de a situação vir a subir de tom, piorar, através do aumento de protestos nas próximas edições da feira semanal.

 

João Cláudio

PUB

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.