Terça-feira, 18 de Janeiro de 2022

Fundação Casa de Mateus está de luto

O diretor-delegado da Fundação Casa de Mateus, Fernando de Sousa Botelho de Albuquerque, morreu na madrugada de hoje aos 80 anos.

-PUB-

Em comunicado publicado no seu ‘site’, a Fundação Casa de Mateus retratou Fernando de Albuquerque como um “homem do seu tempo” que acompanhou “sempre de perto a reconstrução do Portugal democrático” ao leme da instituição.

Fernando de Albuquerque nasceu em Lisboa, a 4 de dezembro de 1941, tendo dedicado “grande parte da sua vida ao desenvolvimento do legado” do pai, fundador daquela instituição com sede em Vila Real.

A morte do diretor-delegado da fundação acontece pouco mais de um mês depois de ter sido distinguido com a Grã-Cruz da Ordem do Infante pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

Em 2011, a fundação tinha sido reconhecida com o grau de membro honorário da Ordem do Infante D. Henrique pelo então chefe de Estado, Aníbal Cavaco Silva.

De acordo com a Fundação Casa de Mateus, Fernando de Albuquerque deixou como “marcos de uma ação constante” os seminários Repensar Portugal, iniciados em 1978, a “transformação do panorama da música antiga em Portugal com a criação dos Encontros Internacionais de Música da Casa de Mateus, a instituição do Prémio D. Diniz, em 1980, a criação do Instituto Internacional Casa de Mateus, em conjunto com todas as Universidades e Academias Científicas portuguesas, em 1986, ou ainda a inauguração da Residência de Artistas, em 1998”.

Fernando de Albuquerque era graduado em Engenharia Química pelo Instituto Superior Técnico, diplomado em Indústria Alimentar pela Universidade de Louvain, na Bélgica, e foi professor assistente da Universidade de Luanda entre 1967 e 1970.

Atualmente, era presidente do conselho de administração da Lavradores de Feitoria.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Facebook Notice for EU! You need to login to view and post FB Comments!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.