Quarta-feira, 8 de Dezembro de 2021
©DR

Grönholm surpreendido com vitória na final do Mundial de ralicrosse 

O finlandês Niclas Grönholm disse estar surpreendido com a vitória alcançada na corrida final da etapa portuguesa do Mundial de Ralicrosse, em Montalegre, enquanto o líder da geral, Timmy Hansen, elogiou as batalhas duras em pista.

-PUB-

“Não estava nada à espera deste resultado. Não fizemos alteração nenhuma da meia-final para a final e acabei por ter sorte. Mas foi um bom fim de semana”, apontou Niclas Grönholm (Hyundai i20) na conferência de imprensa após a final.

Grönholm venceu hoje a corrida final da etapa portuguesa do Mundial de ralicrosse, em Montalegre, à frente do líder do campeonato, o sueco Timmy Hansen (Peugeot 208), que, no entanto, aumentou a vantagem na classificação geral.

Na sua estreia a vencer no Circuito Internacional de Montalegre, no distrito de Vila Real, o finlandês confessou que se apercebeu da luta entre Timmy Hansen e Johan Kristoffersson (Audi S1), segundo da geral, e que poderia intrometer-se na luta pela vitória.

“Fiquei surpreendido quando saí à frente deles [após a ‘joker lap’]”, confessou.

Apesar do fim de semana difícil, Grönholm elogiou o circuito transmontano e a sua “zona de gravilha espetacular com os carros atuais”.

Ainda matematicamente na luta pelo título, Grönholm destacou não ter “expectativas”, mas garantiu que dará “o melhor até ao final”.

O segundo classificado da final saiu mais líder do Mundial e, apesar de voltar a não vencer em Montalegre, Timmy Hansen assinalou o “fim de semana fantástico”.

“A qualificação foi muito boa, a meia-final e até a final foi uma grande corrida. O contacto é algo que gostamos e é por isso que corremos em ralicrosse”, sublinhou.

O três vezes campeão mundial e detentor do troféu Kristoffersson lançou um ataque forte à liderança da corrida de Timmy Hansen e na penúltima volta os dois tocaram-se na secção de terra batida, com o líder do Mundial a manter posição, mas os dois perderam para Grönholm no final.

“Não é fácil manter-nos na frente e sentir a pressão curva atrás de curva. Fiz tudo o que podia, mas não foi suficiente, isto foi uma verdadeira corrida de ralicrosse”, salientou.

Mais líder à partida para a derradeira jornada dupla que vai encerrar o Mundial, em Nürburgring, na Alemanha (27 e 28 de novembro), Timmy Hansen, campeão em 2019, confessou que a pressão torna as corridas “agradáveis”.

“Tive até uma conversa na Arábia Saudita com Nico Rosberg [campeão do mundo de Fórmula 1 em 2016] sobre como ele ganhou o campeonato e aguentou a pressão”, revelou.

Já o irmão e companheiro de equipa Kevin Hansen aponta Timmy como o favorito ao título Mundial, apesar de também ainda estar na luta.

“Acredito que o Timmy vai vencer o campeonato. Ele está a andar bem e não desejo que lhe aconteça algo, tal como não desejo a qualquer um. Espero que todos se divirtam e lutem duro entre todos”, analisou.

Sobre a corrida em Montalegre, Kevin Hansen considerou esta “divertida e maluca” e sobre o toque com Kristoffersson, que deu uma penalização de cinco segundos e o último lugar ao compatriota, defendeu que este “exagerou” apesar de “ser difícil definir o limite”.

Com 60 pontos em discussão na jornada dupla, cinco pilotos ainda podem matematicamente chegar ao título: Timmy Hansen (178), Johan Kristoffersson (161), Kevin Hansen (159), Niclas Grönholm (149) e Krisztián Szabó (127).

Também presente na conferência de imprensa, o agora campeão da categoria Euro RX3, anteriormente conhecida como Super1600, o suíço Yury Belevskiy (Audi A1) manifestou-se satisfeito por superar a pressão e apreciar a condução.

“Fiquei muito contente com a vitória, por suportar a pressão na qualificação. Após ter o campeonato garantido senti como é bom guiar neste bonito circuito, com um carro fantástico, sem qualquer pressão e foi mesmo agradável”, vincou.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.