Quarta-feira, 5 de Outubro de 2022

Idosos vivem sozinhos em aldeias desertas

No distrito de Vila Real, os Censos da GNR identificaram 4 515 idosos a viverem sozinhos ou isolados. A VTM foi conhecer a realidade no terreno e encontrou muitas pessoas nesta situação. Fique a conhecer a história de três idosos, os seus medos e as suas angústias, mas também a felicidade por se levantarem todos os dias da cama.

-PUB-

Ao longo de 2018, a Guarda Nacional Republicana (GNR) identificou 45.563 idosos a viverem sozinhos ou isolados e o distrito de Vila Real está no topo da lista, com 4.515 pessoas a viverem nesta situação. Bragança surge em quarto lugar com 3.385. Com menos pessoas a viver nestas condições está o distrito de Viana do Castelo, onde foram identificados 1.111 idosos. 

Uma realidade dura e que é o retrato fiel das aldeias transmontanas, onde cada vez mais é difícil encontrar vida nas ruelas estreitas que ladeiam estas localidades.

Nesta altura do ano, em que o frio aperta, não é fácil encontrar gente pelas ruas, mas o sol tem aparecido e as pessoas aproveitam para cortar lenha e esticar as pernas na varanda ou na horta. 

 

Bisalhães (Vila Real)  

Encostada a um pau, pelas ruas de Bisalhães, freguesia de Mondrões, encontramos Martinha Espírito Santo que vive sozinha há cerca de um ano depois da morte do marido. 

Com 67 anos, esta sexagenária não teve filhos e sente muito a ausência do companheiro de uma vida, que era o seu grande suporte. Mesmo assim, os sobrinhos e as cunhadas não a deixam desamparada. “São a minha única família e tratam-me bem. Se preciso de alguma

Artigo exclusivo PREMIUM

Tenha acesso ilimitado a todos os conteúdos do site e à edição semanal em formato digital.

Se já é PREMIUM,
Aceda à sua conta em

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.