Terça-feira, 11 de Maio de 2021

IPB e a ULSNE estimam realizar de imediato 174 testes de diagnóstico por dia

O IPB iniciou a realização de testes de diagnóstico da infeção por SARS-Cov-2 que provoca a doença COVID-19, em parceria com a Unidade Local de Saúde do Nordeste.

Considerando a atual situação de emergência comunitária provocada pelo crescimento do número de pessoas afetadas por COVID-19 no país e na região de Trás-os-Montes, e a dificuldade de os laboratórios de saúde pública realizarem os testes de diagnóstico de Covid-19 necessários a uma gestão eficaz da atual crise sanitária, o IPB iniciou a realização de testes de diagnóstico da infeção por SARS-Cov-2 que provoca a doença COVID-19, em parceria com a Unidade Local de Saúde do Nordeste.

Com esta atividade, o IPB coloca as suas capacidades de investigação ao serviço da comunidade e fortalece a sua parceria com a ULSNE, procurando construir um projeto científico diferenciador na área da saúde no Nordeste Transmontano.

Na realização destes testes, a instituição de ensino superior segue o protocolo laboratorial desenhado pelo Instituto de Medicina Molecular (iMM). “Este protocolo baseia-se na metodologia desenvolvida pelo CDC “Center for Disease Control and Prevention (CDC) e foi certificado pelo INSA – Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge”, revelou em comunicado, adiantando que, depois de cumpridas todas as fases de validação dos testes, conforme os laboratórios nacionais de referência, o IPB estima “iniciar a fase cruzeiro de realização de análises na próxima sexta-feira”.

O teste de diagnóstico para coronavírus 2 (SARS-COV-2) implementado no IPB é um ensaio de identificação do vírus em RT-qPCR (PCR em tempo real) e usa reagentes produzidos em Portugal, pela empresa de biotecnologia NZYTech, conforme as recomendações do iMM. Desta forma, fica ultrapassada a escassez de reagentes que existe no mercado internacional devido à elevada procura e que levou à inoperacionalidade de outros métodos de análise.

Para o desenvolvimento destes testes, o IPB adaptou uma parte significativa dos laboratórios do Centro de Investigação de Montanha, dedicando um dos pisos integralmente à realização desta atividade e concentrando aí diversos meios e equipamentos.

Foi também desenvolvida uma aplicação informática que permite o registo e acompanhamento do processo de análise. Após a chegada das amostras ao IPB, o protocolo laboratorial de análise tem uma duração aproximada de 5h00.

O IPB e a ULSNE estimam realizar de imediato 174 análises por dia e, numa segunda fase, ficará instalada uma capacidade de 348 análises por dia. Para a realização destas análises o IPB e a ULSNE criaram uma equipa de mais de 30 pessoas, cientistas e técnicos, que aceitam trabalhar neste projeto de forma voluntária.

A equipa é liderada pelas professoras Alice Pinto e Carina Rodrigues do IPB e por Maria José Montanha, da ULSNE.

APOIE O NOSSO TRABALHO.
APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.