Quarta-feira, 26 de Janeiro de 2022
©DR

Luz da Paz de Belém partilhada em Vila Real

Foi numa noite fria que a pequena Luz de Belém aqueceu os corações dos presentes na cerimónia regional da partilha da Luz da Paz de Belém que aconteceu na semana passada, na Sé de Vila Real, que foi presidida pelo bispo da diocese, D. António Azevedo.

-PUB-

A Luz da Paz de Belém que chega até aos escuteiros percorrendo o mundo sem nunca se apagar “mostra-nos o valor da fé, da família e do milagre”, afirmou o coordenador regional, Fábio António, no discurso de abertura, acrescentando que “é uma Luz que tanto nos ensina, que tanto nos traz e que tanto nos alimenta”.

Devido à pandemia de Covid-19, a luz que foi partilhada não foi a luz acesa na gruta da Natividade, mas, sim, a Luz da Paz de Belém, que se mantém permanentemente acesa em casa de uma paroquiana de Mateus e que no dia 12 de dezembro viajou até Setúbal para a cerimónia nacional.

Agora, de volta a casa, a Luz que, segundo D. António Azevedo, “nos impele a partilhar de geração em geração o maior acontecimento da História, ou seja, o nascimento de Jesus” dá-nos “alegria para vivermos este tempo de Advento em família e vivermos o Natal no espírito da partilha”.

Aproveitando o início das celebrações do ano jubilar da Diocese, o bispo deixou um desafio aos escuteiros pedindo que a luz partilhada seja também ela “um elemento de força de todos os jovens”.

A Luz da Paz de Belém foi distribuída aos agrupamentos da Região e aos grupos de jovens da Diocese que ao levarem a luz para as suas paróquias a vão fazer chegar, durante os próximos dias, às comunidades num gesto de amor e de aproximação, criando, assim, uma “rede de paz”, lema escolhido este ano pelo Corpo Nacional de Escutas para celebrar esta missão.

 

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.