Quinta-feira, 30 de Maio de 2024
No menu items!

Mais 111 mortos e 9478 casos de Covid-19

-PUB-

O boletim epidemiológico da DGS revela ainda que há mais 104 pessoas internadas com covid-19 do que na sexta-feira, totalizando 3.555 doentes, e mais quatro pessoas em unidades de cuidados intesivos, que são agora 540 em todo o país.

Os número globais desde que foi diagnosticado o primeiro caso de contágio, em março passado, atingem hoje 476.187 pessoas infetadas e 7.701 mortes com covid-19.

Na sexta-feira foram atingidos máximos diários de mortes (118) e de novos casos (10.176).

A DGS considera ativos 102.406 casos, mais 3.468 do que na sexta-feira, e hoje há mais 5.899 casos recuperados, que no total são 366.080.

Em vigilância estão 113.526 contactos, mais 4.365 do que na sexta-feira.

A maior parte dos novos casos situa-se na região Norte (3.377), seguindo-se Lisboa e Vale do Tejo, com 3.009 novos casos, o Centro (2.074), Alentejo (582), Algarve (326), Açores (67) e Madeira (43).

Das 111 mortes contabilizadas desde sexta-feira, 44 aconteceram na região de Lisboa e Vale do Tejo, 29 no Norte, 25 no Centro, 11 no Alentejo e duas no Algarve.

Desde o início da epidemia de covid-19 em Portugal morreram 4.014 homens e 3.687 mulheres com a doença, a maior parte com idades acima dos 80 anos.

A maior incidência de casos verifica-se entre os 20 e os 59 anos. Foram diagnosticados com infeção pelo novo coronavírus 261.901 mulheres e 214.122 homens.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.914.057 mortos resultantes de mais de 88 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, o estado de emergência decretado em 09 de novembro para combater a doença foi renovado com efeitos desde as 00:00 de 08 de janeiro, até dia 15.

 

 

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

VÍDEOS

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS