Sexta-feira, 3 de Dezembro de 2021

Mais consultas e cirurgias este ano do que em 2019 e 2020

Os hospitais realizaram mais de 525 mil cirurgias e cerca de 9,2 milhões de consultas entre janeiro e setembro deste ano, superando a atividade registada no mesmo período de 2019 e 2020, indicou hoje o Ministério da Saúde.

-PUB-

Segundo dados da atividade assistencial nos serviços públicos, nos primeiros nove meses do ano foram efetuadas no Serviço Nacional de Saúde (SNS) 525.057 intervenções cirúrgicas, o que representa mais 27% do que as efetuadas em 2020 e 1,5% do que em 2019.

Relativamente às consultas médicas hospitalares, entre janeiro e setembro realizaram-se 9.264.217, mais 13,8% do que as consultas externas efetuadas em 2020 e 1% do que em 2019, avança ainda o ministério.

“O IPO de Coimbra (24,7%), o Hospital de Vila Franca de Xira (18,6%), o Centro Hospitalar de Leiria (15%), o Hospital de Braga (12%) e o IPO de Lisboa (11%) foram as unidades hospitalares que registaram os maiores aumentos do número total de consultas face a igual período de 2019”, adianta.

Ao nível das primeiras consultas, os dados agora divulgados sublinham o “crescimento das primeiras consultas dos três IPO face a 2019 – Porto mais 9,5%, Centro mais 12,7% e Lisboa mais 4,2% -, “dada a relevância do acesso a primeiras consultas na área da oncologia”.

Os mesmos dados revelam que, nos cuidados primários, o número de consultas ascendeu a 26.937.505, correspondendo a um crescimento de 16,8% em relação a 2020 e de 14,4% quando comparado com 2019.

Relativamente à oncologia, a tutela salienta a “evolução observada em 2021 na recuperação do rastreio oncológico de base populacional”, reconhecendo que em 2020 “ocorreram quebras significativas”.

Quanto ao cancro da mama, “em termos globais verifica-se um aumento da população convidada e rastreada em 2021, face a iguais períodos de 2020 e 2019”, adianta o Ministério da Saúde, que refere que este ano se regista uma cobertura populacional superior à verificada nos dois períodos homólogos anteriores, alcançando-se uma taxa de cobertura de cerca de 50%.

Até setembro deste ano tinham sido rastreadas mais de 266 mil pessoas, enquanto em 2020 não chegaram às 130 mil e em 2019 ascenderam a mais de 250 mil.

“Os dados do movimento assistencial demonstram que o SNS revelou capacidade de adaptação e resposta, tendo aumentado o volume de cuidados em 2021 face a 2019 no cômputo nacional para as grandes linhas de atividade, quer nos cuidados primários, quer nos cuidados hospitalares”, adiantou o Ministério da Saúde.

Em Portugal, desde março de 2020, morreram 18.171 pessoas e foram contabilizados 1.091.592 casos de infeção, segundo dados da Direção-Geral da Saúde.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em vários países.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.